Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas ARTIGO

Paquera, shows e política: diversidade é o outro nome da praça mais charmosa de BH

Projetada como centro de poder, a Liberdade se tornou ponto de encontro, de manifestações políticas e de resenha para jovens que lá aproveitam as madrugadas


postado em 12/12/2019 06:00 / atualizado em 12/12/2019 07:59

O historiador Yuri Mello Mesquita(foto: Arquivo pessoal)
O historiador Yuri Mello Mesquita (foto: Arquivo pessoal)



Referência para os belo-horizontinos e reconhecida como patrimônio cultural pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha) e pelo Conselho Deliberativo Do Patrimônio Cultural de Belo Horizonte, a Praça da Liberdade é símbolo da cidade desde seus primeiros anos. O local, projetado como centro do poder administrativo, se tornou ponto de encontro, de paquera, de shows, de manifestações políticas e de resenha para metaleiros, punks e jovens que aproveitam a quietude do espaço nas madrugadas para tomar vinho barato e conversar sobre a vida.

A praça está no projeto da Comissão Construtora da Nova Capital, criada por meio de decreto estadual em 1884. À primeira vista, a comissão não deu importância à topografia da região onde a nova cidade seria construída, pois somente em alguns casos ela foi levada em consideração, como na “elevação ao poder” na subida para a Praça da Liberdade. Ou seja, o governo ficaria em uma posição elevada em relação a outros pontos da capital. Importante destacar que, no projeto original coordenado por Aarão Reis, as secretarias de Estado não ficariam na Praça da Liberdade, mas na Praça do Progresso – onde hoje se localiza o Colégio Arnaldo, entre as avenidas Brasil e Carandaí.

Em 1896, Francisco Bicalho, engenheiro que sucedeu Aarão Reis na comissão, decidiu construir as secretarias na praça por motivos logísticos e orçamentários, reforçando o caráter de centro administrativo do espaço inaugurado em 1898. O projeto paisagístico original foi assinado por Paul Villon e dialogava com o paisagismo inglês da época. Todavia, em 1920, a praça foi reformada para a visita dos reis belgas a BH com novo paisagismo de inspiração francesa.

Ver galeria . 23 Fotos A iluminação poderá ser visitada durante as festividades de fim de ano até o dia 6 de janeiro do ano que vem Marcos Vieira/EM/D.A press
A iluminação poderá ser visitada durante as festividades de fim de ano até o dia 6 de janeiro do ano que vem (foto: Marcos Vieira/EM/D.A press )

Mesmo projetada para ser centro do poder e situada em uma das regiões que têm o valor de metro quadrado mais elevado da cidade, a Praça da Liberdade foi apropriada por diversos grupos ao longo dos anos. No final da década de 1960, por exemplo, artistas começaram a expor e comercializar sua arte de forma espontânea no local. Aos poucos o movimento se encorpou, atraindo músicos, escritores e diversas outras manifestações culturais. Nos anos 1970, por meio de decreto municipal, a “feira” foi oficializada com a organização assumida pela prefeitura e passou a funcionar nas noites de quinta-feira e nas manhãs de domingo.

A Liberdade é um belo exemplo da polissemia (vários sentidos) do espaço urbano e foi testemunha de diversas manifestações artísticas, políticas, de shows e de eventos, como a iluminação de Natal que leva milhares de pessoas à praça em dezembro e início de janeiro. O espaço é cotidianamente apropriado de diversas maneiras – enquanto alguns fazem yoga, outros andam de skate e patinetes, desviando de crianças que brincam nos canteiros. Funcionários e estudantes aproveitam os bancos para descansar, observando quem se exercita nas caminhadas e corridas ao redor da praça. É, portanto, ponto de encontro, de estudo, de conversa, de namoro, e, por tudo isso, é um dos símbolos da capital mineira.

 

* Historiador e belo-horizontino, com doutorado em história pela Universidade Federal de Minas Gerais 


Publicidade