Publicidade

Estado de Minas 'VIAGEM' NA TELA GRANDE

Idosos e alunos de escolas públicas vão ao cinema pela primeira vez e assistem a clássico

'O Mágico de Oz' encanta plateia convidada para exibição especial durante evento de moda de Belo Horizonte


postado em 25/10/2019 06:00 / atualizado em 25/10/2019 08:06

A tela grande e a sala escura deram a dimensão da magia da sétima arte à plateia de quase 700 pessoas, a maioria alunos do ensino fundamental(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
A tela grande e a sala escura deram a dimensão da magia da sétima arte à plateia de quase 700 pessoas, a maioria alunos do ensino fundamental (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

A primeira vez ninguém esquece – ainda mais se for “em algum lugar além do arco-íris”, na magia da sétima arte e no charme da moda. Pois foi nesse clima todo, como manda o figurino, que as amigas Marlene Alípio, de 75 anos, e Maria José de Melo, de 61, moradoras de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, pisaram pela primeira vez numa sala de cinema. A estreia das duas foi na tarde de ontem, numa sala de exibição especialmente montada no Centro de Convenções Expominas, na capital, que sedia até hoje a 25ª edição do Minas Trend, o principal salão de negócios da indústria da moda. Em cartaz, o clássico O Mágico de Oz.

“Nunca entrei num cinema. Não tinha nem namorado para me levar”, contou Marlene Alípio, solteira, que segurava o saquinho de pipocas. Ao lado, a colega de hidroginástica e também solteira, “graças a Deus”, Maria José de Melo, deixava transparecer o encantamento pela tela grande, a sala escura e a plateia composta por quase 700 pessoas, sendo 600 estudantes de ensino fundamental de escolas públicas e as demais com idade acima dos 60 e participantes da Associação dos Moradores do Bairro Novo Progresso (Amonp), de Contagem. A turma foi convidada da organização do evento promovido pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), via equipe de responsabilidade social do Serviço Social da Indústria (Sesi), dentro do projeto Os clássicos estão na moda, com patrocínio da Cemig por meio da lei federal de incentivo à cultura.

Cinema e moda estão ligados. Você olha a roupa de um personagem do filme, como o Homem de Lata, de O Mágico de Oz, ou o sapatinho vermelho da Dorothy, e entende que complementam a narrativa”, explicou Clarisse Santos Elias, integrante da equipe de responsabilidade social do Sesi. “Nosso objetivo é também formar plateias, fazer com que as pessoas criem o hábito de ir ao cinema, ao teatro. Esse pensamento está dentro do tema do Minas Trend deste ano, Tecendo futuros.” O projeto, que inclui ainda cinema, oficina e teatro, ocorre paralelamente em Ouro Preto, na Região Central, Tiradentes, no Campo das Vertentes e Uberaba, no Triângulo Mineiro.

Para hoje estão programados os longas O menino maluquinho (nacional) e O diabo veste Prada. Já na manhã de ontem, foi exibido Alice no país das maravilhas. “Cada filme tem um público com faixa etária diferente”, disse Clarisse. No total, o programa deverá atingir cerca de 2,5 mil pessoas, em quatro sessões, e o passeio inclui ainda transporte e, claro, a pipoca. A iniciativa contemplou, na maioria, crianças, jovens e adultos que nunca tinham ido ao cinema.

Voz da arte


Não faltou fascinação para quem já passou dos 60 anos(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Não faltou fascinação para quem já passou dos 60 anos (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

A versão de O Mágico de Oz (1939) tem Judy Garland no papel da menina Dorothy, que eternizou a música Somewhere over the rainbow (Em algum lugar além do arco-íris) e jamais perdeu o brilho com o passar dos anos. Tão logo a atriz começou a cantar, olhos e ouvidos ficaram atentos. Com o saquinho de pipoca distribuído na entrada, um grupo de estudantes da Escola Estadual Amélia Josefina Kessen, do Bairro Nova Suíssa, na Região Oeste, não despregou os olhos da tela. “É a primeira vez que vejo um filme no cinema. É legal!”, revelou Miguel Artur Silva dos Santos, de 11, quando as luzes se apagavam.

Já um trio feminino conhecia a magia da “sétima arte”, mas gostou e pediu bis, ao lado da professora Sheila Marinho, que destacou a oportunidade de a garotada do 1º ao 9º ano sair da sala de aula e interagir. Eloá Iasmim viu no passeio a chance de se divertir com os coleguinhas, a exemplo de Julie Gonçalves da Silva e Maria Heloísa Azevedo de Assis, todas de 10 anos. “É bem melhor do que televisão”, comparou Maria Heloísa, sem piscar diante da história de Dorothy e do cãozinho Totó, que são levados à terra mágica de Oz, quando um ciclone passa pela fazenda dos avós da menina no Kansas, Estados Unidos.


Publicidade