Publicidade

Estado de Minas

Caiçara em luto: moradores relatam momentos de horror depois de queda de avião

O cheiro de fumaça ainda é forte e as pessoas do bairro estão sem acreditar que ocorreu um segundo acidente aéreo na mesma rua


postado em 22/10/2019 11:46 / atualizado em 22/10/2019 11:58

Técnicos de empresa de telefonia tentam restabelecer o serviço na manhã desta terça(foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
Técnicos de empresa de telefonia tentam restabelecer o serviço na manhã desta terça (foto: Jair Amaral/EM/DA Press)


Moradores do Bairro Caiçara, Região Noroeste de Belo Horizonte, ainda tentam se refazer dos momentos dramáticos vividos na manhã dessa segunda-feira, quando um avião – o segundo em seis meses – caiu na Rua Minerva, matando três pessoas e deixando outras três feridas. Nesta terça-feira, técnicos de empresas de telefonia e energia ainda trabalhavam para tentar normalizar os serviços. Entre a população, o clima é de pesar. 

A Academia BioFit Cross está fechada, em luto pelas pessoas que morreram no acidente com o monomotor PR-ETJ. Na hora do acidente, 30 alunos estavam na academia. "Por pouco,  a tragédia não foi maior. Temos alunos de crossfit que fazem aula na rua, mas ontem no horário não tínhamos alunos", afirma Klécia Nayara Pereira de Freitas, de 34 anos, uma das proprietárias.

Klécia Nayara Pereira de Freitas, de 34 anos, uma das proprietárias da academia próxima ao local da queda(foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
Klécia Nayara Pereira de Freitas, de 34 anos, uma das proprietárias da academia próxima ao local da queda (foto: Jair Amaral/EM/DA Press)


Funcionários da Oi trabalham nas redes para restabelecer a internet. O fornecimento de energia elétrica retornou na madrugada. O cheiro de fumaça ainda é forte e as pessoas do bairro estão sem acreditar que ocorreu um segundo acidente aéreo na mesma rua.

Muitas são as histórias de pessoas que escaparam por um triz do acidente. A comerciante Nelma Maria Timóteo, de 48 anos, contou que o irmão estava a poucos metros de onde o avião caiu. "Por um pouquinho, meu irmão não morreu. Alguém o cumprimentou e ele diminuiu o passo", disse. As pessoas também se perguntam "como dois raios podem cair no mesmo lugar". "Estou apavorada até agora. Estamos nos perguntando: no mesmo lugar, na mesma rua, com diferença tão pouca?", questiona Nelma.

A comerciante Nelma Maria Timóteo, de 48 anos, conta que o irmão escapou por pouco de ser atingido(foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
A comerciante Nelma Maria Timóteo, de 48 anos, conta que o irmão escapou por pouco de ser atingido (foto: Jair Amaral/EM/DA Press)


Às 8h14min03 de ontem, o avião modelo SR 20 decolou da pista do Aeroporto Carlos Prates, cruzou a Avenida Dom Pedro II e alcançou os limites do Bairro Caiçara. Nesse momento, ele fez um retorno brusco na própria rota e caiu na Rua Minerva, em frente ao número 308, exatos 21 segundos depois de levantar voo. Antes do choque no solo, abriu um paraquedas, que ficou esticado pela Rua Minerva e ainda atingiu três veículos. O avião e os carros pegaram fogo. (Colaborou Cristiane Silva)

As vítimas


Mortos


Do aparelho

Hugo Fonseca Silva, 38 anos
Era morador de Contagem, na Grande BH. Deixa a esposa e o filho Miguel, de 1 ano

Em terra

Pedro Antônio Barbosa, de 54
Estava em um dos três carros destruídos. Era de Venda Nova e estava indo trabalhar em uma obra

Paulo Jorge de Almeida, de 61
Estava no mesmo carro. Pedro e Paulo eram vizinhos e estavam a caminho do trabalho no mesmo local

Socorridos com vida


Do aparelho

Allan Duarte Jesus Silva, de 29  
Pilotava o avião e teve queimaduras. Estava com a habilitação em dia

Thiago Funghi A. Torres, de 30
Estava no avião e foi socorrido com queimaduras pelo corpo

Srrael Campras dos Santos 
Estava no avião e também se queimou. Na Anac, aparece como operador do aparelho


Publicidade