Publicidade

Estado de Minas

Qualidade do ar cai para nível inadequado em BH; saiba quando vai chover

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o índice mais baixo de umidade registrado nesta sexta foi de 15% na Região da Pampulha e 22% no Bairro Santo Agostinho, na Região Centro-Sul da cidade


postado em 18/10/2019 18:14 / atualizado em 18/10/2019 20:55

Tempo seco e poluição na capital mineira. (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.APress)
Tempo seco e poluição na capital mineira. (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.APress)
Está cada vez mais difícil respirar em Belo Horizonte. Segundo a Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam), a combinação entre tempo seco e queimadas fez com que o Índice de Qualidade do Ar na capital mineira - indicador padronizado do nível de poluição na atmosfera - baixasse para "inadequado" nesta sexta-feira (18). A escala de monitoramento varia entre cinco diferentes níveis: "boa", "regular", "inadequada", "péssima" ou "crítica". De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a umidade do ar atingiu 15% na Região da Pampulha.

Dados do boletim divulgado pela Fundação apontam que, nessa quinta-feira (17), o ar de BH atingiu a segunda maior concentração de poluentes da série histórica. O acúmulo de partículas inaláveis subiu para o nível 97. O cáculo considera a presença de substâncias como ozônio, gás carbônico, dióxido de nitrogênio e enxofre.

Para ser considerado de boa qualidade, o ar deve apresentar índice máximo de poluentes de 40. Entre 40 e 96, a classificação passa a "regular". Acima desse parâmetro, a atmosfera já oferece riscos a grupos sensíveis, tais como crianças, idosos e pessoas com doenças respiratórias e cardíacas. Tosse seca e cansaço estão entre os sintomas mais comuns.  


Tempo seco

Para meteorologista Anete Fernandes, a baixa umidade do ar detectada em Belo Horizonte ao longo da semana se deve à falta de chuva, além das temperaturas altas. Uma consequência desse fenômeno é a névoa seca. Ela ocorre quando uma massa de ar se mistura com a poluição - no caso, a fuligem das queimadas no entorno da capital, deixando a linha do horizonte mais opaca e embaçada. 

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o índice mais baixo de umidade registrado nesta sexta foi de 15% na Região da Pampulha, e 22% no Bairro Santo Agostinho, na Região Centro-Sul da cidade. Critérios estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS) consideram percentuais entre 21% e 30% como "estado de atenção". O índice considerado ideal é de 60%

A boa notícia é que a situação deve melhorar já neste fim de semana. A especialista Anete Fernandes informa deve chover tanto sábado (19), quanto domingo (20). "Com a chuva, a umidade aumenta e limpa a atmosfera”, explica a meteorologista.  



* A estagiária está sob supervisão da subeditora Ellen Cristie. 


Publicidade