Publicidade

Estado de Minas

Sirenes de emergência de barragem tocam por engano em Araxá

De acordo com o Corpo de Bombeiros, houve um acionamento acidental devido a falhas no sistema


postado em 10/10/2019 13:46 / atualizado em 10/10/2019 15:34

Barragem pertence a Mosaic Fertilizantes(foto: Divulgação/Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Araxá)
Barragem pertence a Mosaic Fertilizantes (foto: Divulgação/Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Araxá)

Mais uma vez, sirenes de barragens em Minas Gerais foram acionadas por engano. A falha foi registrada nesta quinta-feira em Araxá, na Região do Alto Paranaíba. De acordo com o Corpo de Bombeiros, não há nenhuma anomalia detectada no reservatório. As causas do acionamento ainda estão sendo investigadas.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, diversos moradores entraram em contato com a corporação para saber se tratava de uma emergência. Eles foram orientados que foi um engano no acionamento.

Equipes da empresa responsável pela barragem, foram para a zona rural do município para orientar as famílias e avisar sobre o acionamento acidental.

Por meio de nota, a Mosaic Fertilizantes confirmou que “houve o acionamento de uma sirene do Complexo Mineroquímico de Araxá (MG) inesperadamente”. “A empresa esclarece que não há qualquer risco iminente, portanto, a unidade segue operando normalmente e as pessoas não precisam deixar suas casas. A empresa reforça que o sistema de alerta sonoro é preventivo e visa garantir a segurança da comunidade em caso de emergência. As comunidades e órgãos responsáveis já foram contatados pela empresa para esclarecimentos”, completou.

Outros casos


Não é a primeira vez que sirenes de barragens tocam em Minas Gerais e assustam moradores. Somente em Santa Bárbara,  na Região Central de Minas Gerais, a falha aconteceu por duas vezes. A última delas em 26 de julho deste ano.  Os aparelhos foram acionados de forma equivocada pela mineradora AngloGold Ashanti por volta das 14h. A mineradora confirmou o erro e tomou medidas para informar a população.

O primeiro erro ocorreu em 25 de maio. Na ocasião, a empresa informou que realizava um processo de preparação preventiva do sistema de emergência quando houve o acionamento inesperado por um período máximo de três segundos de duas sirenes localizadas na região de Santa Quitéria e Bárbara, próxima à Barra Feliz. O toque foi interrompido e uma equipe foi mobilizada para esclarecer a situação aos moradores das comunidades e autoridades competes.

Barragem interditadas


Uma barragem da Mosaic Fertilizantes em Araxá está na lista dos reservatórios interditados por não ter sua segurança atestada por meio da Declaração de Condição de Estabilidade (DCE) no segundo semestre de 2019. Trata-se da Barragem B1/B4. Ela está localizada no Complexo Mineroquímico de Araxá.

Por meio de nota, a Mosaic Fertilizantes afirmou que “a barragem B1/B4 encontra-se interditada desde fevereiro de 2019 e deverá ser descomissionada, nos termos da legislação aplicável”.” O Complexo Mineroquímico de Araxá (MG) retomou suas operações no dia 5 de setembro após a aprovação da emissão da licença de operação da barragem B6, em julho. Todas as autoridades públicas envolvidas nesses processos foram devidamente informadas sobre o retorno integral das atividades e os funcionários seguem trabalhando normalmente”, afirmou.

“Vale ressaltar que as demais barragens de mineração da empresa receberam as Declarações de Condição de Estabilidade (DCE) após as novas auditorias realizadas em setembro, de acordo com as regras da Agência Nacional de Mineração (ANM).A Mosaic Fertilizantes reforça que todas as medidas foram tomadas para garantir a segurança dos funcionários e da comunidade de forma responsável e transparente”, finalizou.

A Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam) vai determinar a suspensão das operações das barragens que não tiveram sua segurança atestada por meio da Declaração de Condição de Estabilidade (DCE) no segundo semestre de 2019. A Agência Nacional de Mineração (ANM) interditou 54 barragens por esse motivo. Destas, 33 são no território mineiro.


Publicidade