Publicidade

Estado de Minas

Campeonato de matemática leva estudantes de escolas públicas para a Nasa

Alunos do ensino médio de escolas públicas de todo o estado na na final do Campeonato Estadual de Matemática (CEM), promovido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (Emge)


postado em 05/10/2019 13:34 / atualizado em 05/10/2019 15:48

Alunos de escolas públicas participam do Campeonato Estadual de Matemática(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
Alunos de escolas públicas participam do Campeonato Estadual de Matemática (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
Questões no telão, cronômetro ligado e raciocínio a todo vapor. Alunos do ensino médio de escolas públicas de todo o estado fizeram bonito, neste sábado (05), na final de uma competição de matemática, em Belo Horizonte. Mostraram jogo de cintura, pensamento lógico, capacidade de resolver problemas e outras tantas habilidades.

Os vencedores ganharam uma viagem à Nasa, nos Estados Unidos. Mas, independente de subir ao pódio, os competidores foram premiados com o mais importante: a certeza de que todos são capazes de vencer, seja na matemática ou na vida. O Campeonato Estadual de Matemática (CEM), promovido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (Emge), contou com a participação de alunos do 2º e 3º anos. Ao todo, 234 escolas e mais de 2 mil estudantes se inscreveram.

Em abril, começaram as etapas classificatórias. Nelas, as equipes recebiam questões on-line e tinham prazo de até duas semanas para pôr a mão na massa e resolver exercícios mais complexos. Além de se chegar ao resultado correto, o objetivo era fazer os estudantes sentarem em grupo, resolver problemas, aprender sobre liderança, gestão do tempo, criatividade e protagonismo, entre outras habilidades.

Estudantes respondem a questões do Campeonato Estadual de Matemática(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
Estudantes respondem a questões do Campeonato Estadual de Matemática (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
Essas etapas serviram ainda para selecionar, dentro das escolas, quais duplas representariam a instituição na última fase. Quisemos envolver toda a comunidade escolar, por isso, muitas vezes, eles tinham de ir até a diretoria em busca de alguns dados, como consumo e área do terreno”, conta a professora da Emge e coordenadora do CEM, Aline Oliveira. No fim, restaram 62 escolas e 124 estudantes (62 duplas).

MOTIVAÇÃO Os competidores começaram a chegar anteontem para a grande final, no auditório da Escola Superior Dom Helder Câmara, onde está a Emge, no Bairro Santa Efigênia, na Região Hospitalar de Belo Horizonte. Uma das atividades foi uma sessão de cinema com o filme Estrelas além do tempo, que conta a história real de três mulheres negras que trabalhavam na Nasa. “Os alunos ficaram motivados. Escolhemos esse título para mostrar que todo mundo pode.

O grande objetivo da competição é deixar claro que somos em matemática do que imaginamos e do que todo mundo fala”, diz Aline. Ontem, enquanto as duplas respondiam as questões, a plateia formada por familiares e professores acompanhava atenta o desempenho dos competidores. O professor de física Norberto Akio Kawakami, responsável por treinar os alunos da Escola Estadual Celso Machado, no Bairro Milionários, no Barreiro, estava orgulhoso da participação dos estudantes. “O fato de estarem aqui já é uma vitória e incentiva os outros para o ano que vem.”

A dupla vencedora foi Gabrielle Lacerda e João Miguel Borges, do Colégio Tiradentes da Polícia Militar de Minas Gerais – Unidade Argentino Madeira. Eles ganharam passagem, hospedagem e ingresso para conhecer o Kennedy Space Center, na Flórida, um centro de visitação que mostra todo o processo de como a matemática é aplicada e a relação com a engenharia e a comunicação.

Em segundo lugar, Lucas Vitor Miranda e Gabriel Souza de Oliveira, da Escola Estadual Deputado Manoel Costa foram premiados com uma visita ao Memorial Aeroespacial Brasileiro, em São José dos Campos (SP). “Independente de quem ganhou, pensamos que essa iniciativa está transformando a vida desses meninos, que muitas vezes vêm de uma realidade muito dura. E esse é o papel da educação, seja ela qual for e como for. E transformando a realidade deles, teremos um futuro melhor”, ressalta a coordenadora da Emge.


Publicidade