Publicidade

Estado de Minas POEMA SOBRE MINAS

Conheça a estudante de Venda Nova finalista da Olimpíada da Língua Portuguesa com poema

Aluna de escola municipal de BH, Nicole Florentino, de 11 anos, está na reta final com 173 participantes do concurso, que recebeu 170 mil inscrições. Leia 'Da janela de Minas', escrito pela garota


postado em 08/11/2019 06:00 / atualizado em 12/11/2019 22:00

O sentimento da estudante Nicole Rodrigues Florentino, de 11 anos, é de uma grande conquista(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
O sentimento da estudante Nicole Rodrigues Florentino, de 11 anos, é de uma grande conquista (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)


“Estou muito feliz. E também surpresa”. Com essas palavras, após chegar de São Paulo (SP) na primeira viagem na vida sem os pais, a estudante Nicole Rodrigues Florentino descreveu, na tarde de ontem, o sentimento por uma grande conquista com apenas 11 anos: é uma das finalistas na categoria Poema da 6ª Edição da Olimpíada de Língua Portuguesa. Com o tema O lugar onde vivo, as cinco categorias do concurso Poema, Memórias Literárias, Crônica, Documentário e Artigo de Opinião atingiram mais de 170 mil inscrições em todo o país. “Não fiquei cansada, e lá não estava frio”, contou a menina, ao lado da mãe, a cuidadora Eliene Rodrigues, de 42, na casa da família no Bairro Serra Verde, na Região de Venda Nova, em Belo Horizonte.

Aluna do 5º ano do ensino fundamental da Escola Municipal José Maria Alkmim, em Venda Nova, Nicole, filha única, buscou inspiração em Minas, falando da beleza e dos traços e acontecimentos marcantes. Em seu poema Da janela de Minas, a garota enfocou aspectos positivos e negativos, fazendo uma crítica social. “Falou também das tragédias ambientais ocorridas nos últimos quatro anos, como Brumadinho, que acompanhou atentamente pelos jornais e ficou impressionada”, contou Eliene, que é casada com o metalúrgico Sérgio Florentino.

A revelação e premiação dos vencedores ocorrerá em 9 de dezembro. em cerimônia na cidade de São Paulo. Os 173 participantes selecionados para reta final do concurso concorrem a viagens culturais, enquanto os professores vencedores terão direito a uma imersão pedagógica internacional. A menina está tranquila e, por enquanto, não sabe a profissão a seguir, pois tudo muda na cabeça da criança. Mas tem uma certeza, brinca a mãe: “Agora, é escritora”. A participação no concurso deu à mineirinha a chance de viajar de avião pela primeira vez.

Iniciativa do Ministério da Educação e do Itaú Social, com coordenação técnica do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), a Olimpíada de Língua Portuguesa é um concurso de produção de textos para alunos de escolas públicas de todo o país e integra as ações desenvolvidas pelo Programa Escrevendo o Futuro. O tema das produções desta vez destacou O lugar onde vivo, propiciando aos alunos, conforme os organizadores, “estreitar vínculos com a comunidade e aprofundar o conhecimento sobre a realidade local, contribuindo para o desenvolvimento de sua cidadania”. Nesta edição, a premiada escritora mineira Conceição Evaristo é a grande homenageada e estará presente na cerimônia de entrega das medalhas.

Acompanhamento


Durante o processo, Terezinha Lima da Silva, professora da menina, desenvolveu oficinas com os alunos e fez um acompanhamento extraclasse com Nicole, trabalhando a estrutura do seu poema e aperfeiçoamento do texto. As duas viajaram para São Paulo, na segunda-feira, onde participaram de atividades culturais e formativas proporcionadas aos finalistas da competição. Além disso, receberam, na quarta-feira, a medalha de prata durante cerimônia de premiação que escolheu os finalistas da categoria Poema.

Nicole e a mãe, Eliene, mostram painel como o poema que rendeu à menina um lugar nas finais da olimpíada. Vencedores serão anunciados no dia 28(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Nicole e a mãe, Eliene, mostram painel como o poema que rendeu à menina um lugar nas finais da olimpíada. Vencedores serão anunciados no dia 28 (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)


"Foi muito bacana, um orgulho ver a Nicole como finalista. Para nós, é maravilhoso ter a Nicole como aluna, pois ela conseguiu nos sensibilizar com o seu poema. Especialmente para mim, é um privilégio muito grande poder ajudar a aflorar esse dom para a escrita que ela já tem", disse a professora. E mais: "Maravilhoso participar das oficinas, uma formação importante tanto para nós, professores, quanto para os alunos. Acredito muito na Nicole, vejo que tem potencial de levar a medalha de ouro, mesmo não sendo nada fácil. "

Professora de língua portuguesa, Terezinha destacou ainda a forma como Nicole se referiu a Belo Horizonte e depois à tragédia de Brumadinho, que completará um ano em 25 de janeiro. “Ela pede justiça, tem esperança”. *Estagiária sob supervisão da subeditora Rachel Botelho


Da janela de Minas

Nicole Rodrigues

Da janela de minha casa,
Vejo um belo horizonte.
Que lugar maravilhoso!
Aqui é um lugar esplêndido
De se viver, curtir e divertir.

Da janela de minha casa,
Vejo turistas curiosos,
Com um olhar fascinante,
Admirando nossa
Pampulha exuberante.

Da janela de minha casa,
Vejo um delicioso feijão-tropeiro,
Digno de um mineiro,
Tão bom quanto o seu cheiro.

Da janela de minha casa,
Vejo belos museus ordenados,
Com nosso passado
Muito bem guardado.

Da janela de minha casa,
Vejo cintilantes cachoeiras,
Onde nadamos e nos refrescamos.

Da janela de minha casa,
Vejo tanto desemprego,
Assombrando nossa gente,
Que é honesta e decente.

Da janela de minha casa,
Vejo crianças sem cama,
Sem casa e sem comida.

Da janela de minha casa,
Vejo lágrimas tristes escorrendo,
Pelo rosto de quem perdeu
Um ente querido
Na barragem que se rompeu.

Da janela de minha casa,
Vejo a realidade de nossa sociedade,
Gente que não tem nada,
Mas ainda resta a fé.

Da janela da minha casa,
Vejo quase tudo...
Só aguardo a justiça,
A solidariedade e a honestidade
Serem feitas para vivermos
em igualdade.

Essa é a mais pura verdade.


Publicidade