Publicidade

Estado de Minas

Tragédia de Janaúba completa dois anos e familiares ainda lutam por indenizações

Defensoria Pública ajuizou seis ações, sendo quatro delas voltadas à indenização e pensionamento referente à catástrofe ocorrida na Creche Gente Inocente. Todas ainda estão em fase de instrução na Justiça


postado em 04/10/2019 21:58 / atualizado em 05/10/2019 10:29

(foto: Gladyston Rodrigues/EM)
(foto: Gladyston Rodrigues/EM)

 

Neste sábado (5), se completam dois anos da tragédia ocorrida na Creche Gente Inocente, em Janaúba, na Região Norte de Minas Gerais. Em 5 de outubro de 2017, o porteiro Damião Soares dos Santos, de 50 anos, ateou fogo em crianças e nele mesmo. O fato deixou 14 pessoas mortas – 10 delas crianças e a professora Helley de Abreu Silva Batista, que dá nome à entidade atualmente.


Por conta da data, a Defensoria Pública de Minas Gerais realiza, neste sábado, uma confraternização para “proporcionar momentos de alegria e descontração às crianças e familiares atingidos pela tragédia”.


O evento vai acontecei num clube situado no Bairro Barbosa, em Janaúba. Haverá distribuição de presentes, brincadeiras, comida, tirolesa e apresentações artísticas.


Indenizações

 

Cemei Helley de Abreu, em homenagem a professora que impediu uma tragédia maior, foi erguida no local onde estava a Creche Gente Inocente(foto: Solon Queiroz/Especial para o Estado de Minas)
Cemei Helley de Abreu, em homenagem a professora que impediu uma tragédia maior, foi erguida no local onde estava a Creche Gente Inocente (foto: Solon Queiroz/Especial para o Estado de Minas)
 


Em meio à busca por um futuro melhor de quem ficou, as indenizações para os familiares das vítimas ainda arrastam na Justiça. Segundo o defensor público Gustavo Dayrell, de Janaúba, as indenizações definitivas ainda estão em fase de instrução no Poder Judiciário.


“A tragédia deixou várias sequelas, sobretudo no que tange à saúde física e psicológica. Por isso, a situação é precária, já que demanda gastos financeiros”, ressalta.


Tramitam na Justiça uma ação de indenização coletiva e outras três individuais. Algumas ações relacionadas a medicamentos já foram acatadas pela Justiça.


Enquanto os processos ainda engatinham, auxílios são pagos às famílias. Os valores variam entre R$ 500 e R$ 1 mil, dependendo das fragilidades dos núcleos com relação à saúde.


Segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais, o governo municipal pagaria esses auxílios até dezembro do ano passado. Contudo, negociações estenderam o prazo para até o fim deste ano.


No total, de acordo com a Justiça, a prefeitura de Janaúba já pagou R$ 1,2 milhão às 80 famílias prejudicadas pela tragédia.


O massacre


Às 9h30 do dia 5 de outubro de 2017, o vigia Damião dos Santos invadiu a Creche Gente Inocente e ateou fogo na sala onde os alunos estavam.


Ele matou a si próprio e retirou a vida de outras 13 pessoas, entre as quais 10 crianças e a professora Helley Abreu. Mais de 50 pessoas ficaram feridas.


Na ocasião, a professora Helley, que hoje dá nome à creche, entrou em confronto corporal com o vigia Damião e impediu que ele ferisse mais crianças. Ela ainda ajudou no resgate dos alunos e morreu com 90% do corpo queimado.


Depois, investigação da Polícia Civil apontou que o vigia sofria de transtorno mental (mania de perseguição).


Publicidade