Publicidade

Estado de Minas

Combate aos flanelinhas: 12 profissionais ilegais são encaminhados à delegacia

A ação se deu no entorno do Diamond Mall e da Praça da Assembleia, na Região Centro-Sul


postado em 03/10/2019 18:31 / atualizado em 03/10/2019 19:29

A população ainda pode indicar o local onde o flanelinha estiver autuando pelo app BH-APP(foto: Guarda Municipal/Divulgação)
A população ainda pode indicar o local onde o flanelinha estiver autuando pelo app BH-APP (foto: Guarda Municipal/Divulgação)


A vida dos lavadores de carros que atuam de forma ilegal ficou complicada nesta quinta-feira. Ação da prefeitura coordenada pela Guarda Civil Municipal e pela Polícia Civil encaminhou 12 flanelinhas à delegacia por prática de extorsão e exercício ilegal da profissão.

O combate, por meio da Secretaria Municipal de Segurança e Prevenção (SMSP), se deu pelo entorno do Diamond Mall e da Praça da Assembleia, ambos na Região Centro-Sul de Belo Horizonte.

Na mesma operação, quatro veículos foram autuados e 194 multas por rotativo irregular foram aplicadas, pela a falta do pagamento pelo estacionamento em lugares onde a taxa é obrigatória, e outras 63 por estacionar em lugar indevido

Flanelinhas e a ilegalidade


A profissão de guardador ou de lavador de automóveis é legalizada de acordo com o Decreto 79.797/1977 e quem se interessar na atuação deve apresentar o documento de identidade, um atestado de bons antecedentes, certidão negativa dos cartórios criminais de seu domicílio, prova de estar em dia com as obrigações eleitorais e prova de quitação com o serviço militar, quando obrigado.

Assim, a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) credencia e fiscaliza o profissional, para que ele cumpra as normas previstas em lei. A população também pode indicar o local de atuação dos flanelinhas por meio do aplicativo, lançado no início do ano, BH-APP.
 
*Estagiária sob supervisão da editora Liliane Corrêa


Publicidade