Publicidade

Estado de Minas

Vaquinha online pode garantir cirurgia de catarata para criança de 4 anos

O pequeno Luís esperava pela cirurgia, considerada de urgência, há três anos quando a família resolveu apelar para a solidariedade


postado em 01/10/2019 18:31 / atualizado em 01/10/2019 19:22

O menino de 4 anos já tem muita dificuldade para enxergar e a chance de perder a visão é grande(foto: Arquivo Pessoal)
O menino de 4 anos já tem muita dificuldade para enxergar e a chance de perder a visão é grande (foto: Arquivo Pessoal)


A espera, para o menino Luís e sua família, começou quase junto com a vida dele. Luís Henrique Alves da Silva, de 4 anos, nasceu com catarata congênita no olho esquerdo e coloboma de retina em ambos os olhos. A mãe do menino, Sandra, conta que a família espera pela cirurgia há mais de três anos. O procedimento foi solicitado via Secretaria de Saúde de Januária, Região Norte. 
 
O procedimento foi classificado como urgente desde o primeiro diagnóstico e precisa ser realizado antes que o garoto complete 6 anos de idade. Só isso pode garantir que o caso não se torne irreversível. Com medo de o prazo chegar antes do procedimento, a família decidiu organizar uma vaquinha online. A família não tem condição de  pagar R$ 7.500 pela cirurgia na rede particular e, a partir de agora, podem receber qualquer quantia de quem quiser ajudar pela Caixa Econômica Federal (Agência 0771 / Operação 013 / Conta 03084-2).

Segundo o oftalmologista informou à mãe do menino, uma lente intra-ocular (LIO) também será implantada no procedimento.

“Eles (Secretaria Municipal da Saúde) foram empurrando a gente. Até em Belo Horizonte, na Fundação Hilton Rocha, fomos fazer mais exames. Só assim, segundo eles, a cirurgia seria marcada.” afirmou Sandra dos Santos, de 45 anos. 

Ela ainda ressaltou que, quando retornaram a Januária, a secretaria informou que os documentos da solicitação da cirurgia haviam voltado por não constar o carimbo da médica que fez o exame. Sandra disse que mostrou o exame, que estava com ela e tinha o carimbo, porém não houve retorno. “Eles não querem fazer nada”, afirmou a mãe do menino.

Luís está ciente da sua condição e sabe que precisa da cirurgia. A mãe conta que sempre quando o garoto acorda, pede para assoprar seus olhos, porque diz que tem um cisco o incomodando. “Ele também fecha os olhinhos para conseguir enxergar melhor”, disse Sandra. 

O Estado de Minas entrou em contato com a Secretaria do Estado de Saúde de Minas Gerais (SES/MG), que informou que a cirurgia de catarata é eletiva e que o agendamento precisa ser feito pela Secretaria Municipal de Saúde de Januária, que também foi procurada, mas não enviou resposta até a publicação desta matéria. 

*Estagiária sob supervisão 


Publicidade