Publicidade

Estado de Minas

Mais um posto de saúde é fechado em BH por suspeita de sarampo

Desta vez, a suspeita aconteceu no Centro de Saúde Lagoa, em Venda Nova. Ainda não há informações sobre o paciente


postado em 23/08/2019 16:14 / atualizado em 23/08/2019 16:22

Na quarta-feira, a UPA Centro-Sul foi fechada após suspeita de sarampo(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Na quarta-feira, a UPA Centro-Sul foi fechada após suspeita de sarampo (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

A ameaça do sarampo voltou a amedrontar moradores de Belo Horizonte. Devido a suspeita da doença em um paciente, o Centro de Saúde Lagoa, em Venda Nova, foi fechado. A medida é para evitar que outras pessoas tenha contato com o vírus. Na última quarta-feira, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Centro-Sul ficou fechada por horas devido a um homem, com suspeita da enfermidade, que foi atendido no local.

A Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) ainda não deu detalhes sobre o paciente, mas confirmou que a unidade foi fechada. Ele recebeu atendimento no Centro de Saúde Lagoa, que está localizado na Rua José Sabino Maciel.

Na última quarta-feira, um  paciente com suspeita de sarampo deu entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Centro-Sul. O homem, que havia chegado de viagem de São Paulo, foi levado para o Hospital Eduardo de Menezes (HEM), onde foi levado para um leito de isolamento. A Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig) divulgou boletim médico na última quarta-feira, onde informou que o estado de saúde ele é estável.

Casos em Minas


Minas Gerais já registrou quatro casos da doença neste ano. Porém, este número poderá aumentar. Boletim divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde nessa quinta-feira, mostra que três pacientes de Uberlândia (Triângulo), Passos (Sul) e Viçosa (Zona da Mata), já tiveram reação positiva para a doença em um primeiro exame.

De acordo com a pasta, em todos os quadros, o paciente teve contato com pessoas do estado de São Paulo, estado responsável por concentrar 98,9% dos casos de sarampo no Brasil neste ano. Essas pessoas apresentaram os sintomas da doença e já têm os exames iniciais reagentes. “Todos esses três pacientes passaram pelo bloqueio vacinal. Assim, se interrompeu a cadeia de transmissão, o que evita casos secundários, já que a doença é altamente transmissível”, informou a SES.

Quanto ao quadro geral, o estado tem 55 casos em investigação. Desde o início do ano, 221 casos suspeitos foram informados, mas 162 (73,3%) deles foram descartados.


Publicidade