Publicidade

Estado de Minas

Advogado sai de Campinas com armamento militar para matar ex-companheira em BH

Tentativa de homicídio ocorreu na Pampulha. Homem de 34 anos se matou com tiro na cabeça. Mulher conseguiu fugir


postado em 17/08/2019 11:22 / atualizado em 17/08/2019 12:03

(foto: Reprodução/ Google Street View )
(foto: Reprodução/ Google Street View )

Um advogado se matou com um tiro na cabeça na madrugada deste sábado depois de tentar assassinar a ex-companheira, no Bairro Braúnas, na Pampulha. Para cometer o crime, ele saiu de Campinas, interior de São Paulo, num carro carregado de armamento e munições de uso restrito das polícias Civil e Militar e das Forças Armadas.

Fábio Manuel Kustura Teixeira, de 34 anos, e Michele Vieira, de 28, se separaram recentemente. Inconformado com o fim do relacionamento, ele teria jurado matá-la. De acordo com a vítima, o ex-companheiro chegou à casa dela já atirando. Ao perceber que seria morta, fugiu para a rua. Fábio foi atrás, de carro, um Jeep Compass preto, atirando.

A mulher conseguiu entrar dentro de outra casa e, ao se deparar com o portão entreaberto, correu para os fundos do lote com várias imóveis, de onde pôde acesar outro terreno e passar para o quarteirão seguinte da rua. Os militares da Rotam que faziam patrulhamento no local receberam informações via 190 de que um homem estava disparando diversos tiros dentro de uma casa na Rua Domingos Costa Rezende para matar a ex-companheira.

Ao chegar, encontraram o portão entreaberto, que dava acesso a um corredor. Eles se abrigaram atrás e conseguiram ver no fim do corredor o homem com um fuzil Taurus de calibre .40, exclusivo das forças policiais.

Os militares deram ordem para ele soltar a arma e pôr a mão na cabeça. Fábio jogou a arma no chão, sacou da cintura uma pistola Taurus 9 milímetros, de uso apenas das Forças Armadas, e disparou contra a própria cabeça. Ele foi socorrido ao Hospital Risoleta Neves, onde morreu duas horas depois.

Michele foi encontrada pelo militares do 49º Batalhão a um quarteirão do local do crime com um tiro na nádega e também foi levada ao Risoleta.

No local do crime, foram deflagradas dezenas de cápsulas. Fábio carregava ainda uma mochila preta com diversas munições de calibres diferentes e dois carregadores com munições. Dentro do carro, havia mais três armas de fogo e munições variadas.

Fábio Kustura era advogado e passou no concurso público de ingresso à carreira de auxiliar de papiloscopista da Polícia Civil de São Paulo, ocorrido em 2017. No Diário Oficial do estado do último dia 30, ele foi convocado para nomeação e posse no dia 2 do mês que vem.


Publicidade