Publicidade

Estado de Minas

Menina de Divinópolis foi afogada e estrangulada antes de ser jogada de 2º andar

Depois de dar uma versão que não convenceu a Polícia Civil, Sara Maria de Araújo, de 38 anos, vizinha da vítima, confessou o assassinato e disse que foi por vingança contra a mãe da menina


postado em 09/08/2019 17:45 / atualizado em 09/08/2019 17:54

Garota foi estrangulada e afogada em um balde(foto: ARquivo Pessoal)
Garota foi estrangulada e afogada em um balde (foto: ARquivo Pessoal)

O caso da menina Amanda, assassinada em Divinópolis, na Região Centro-Oeste de Minas Gerais, ganha cada vez mais contornos tristes. A vizinha da garota, Sara Maria de Araújo, de 38 anos, chegou a afirmar que o caso se tratava de um acidente, mas, diante das provas colhidas pela Polícia Civil, confessou o crime. Ela contou que atraiu a menina para sua casa, a enforcou com uma corda, e depois a afogou em um balde. Depois de cinco horas, jogou o corpo do segundo andar da residência. O homicídio teria sido cometido em vingança a mãe da vítima. A presa acreditava que ela a teria denunciado ao Conselho Tutelar.

O drama e angústia da família da menina teve início nessa quinta-feira. A mãe da garota a buscou na escola, por volta das 17h, e, juntas foram para casa, localizada no Bairro Lagoa dos Mandarins. A mulher contou que estava no telefone conversando com o pai de sua filha, quando ela desapareceu. A Polícia Militar (PM) foi chamada e, junto aos bombeiros, iniciou uma varredura pela região.  Enquanto a PM estava na região, moradores de uma residência que fica perto da casa da garota ouviram, em seu quintal, um estrondo por volta de meia noite, já no início da madrugada desta sexta-feira. Os militares foram até o local e encontraram o corpo da criança, já sem vida, caído no terreno de uma casa.

Casa onde a garota foi assassinada em Divinópolis(foto: Reprodução/TV Alterosa)
Casa onde a garota foi assassinada em Divinópolis (foto: Reprodução/TV Alterosa)


Na manhã desta quinta-feira, Sara chegou a afirmar que a morte de Amanda teria sido um acidente. Porém, a Polícia Civil levantou elementos que constatavam que se tratava de um crime. Diante dos fatos, a mulher acabou confessando o assassinato. “A Sara, desde o início das apurações, entrou  em contradições, em especial contra as provas objetivas. Diante disso, ela resolveu confessar a prática do crime, alegando que assassinou Amanda por vingança. A motivação de Sara é por acreditar que a mãe de Amanda a denunciou ao Conselho Tutelar. Acuada, com receio de perder a guarda da filha, de 5 anos, para se vingar, resolveu fazer isso”, contou o delegado Leonardo Moreira Pio, da Regional de Divinópolis, responsável pelo caso.

Crime cruel


A mulher deu detalhes do assassinato cruel. Segundo ela, no fim da tarde de quinta-feira, atraiu Amanda para sua residência. Para evitar que a filha flagrasse o crime, a entregou um telefone para distraí-la. Depois, levou a vítima para um outro cômodo. “Através de uma corda, tentou estrangular a vítima. A menina ficou desacordada, mas percebendo que ela não havia morrido, Sara pega a cabeça da menina e mergulha em um balde, matando por afogamento. Vindo de encontro ao laudo de necrópsia que apontou a causa morte por afogamento”, explicou o delegado.

O crime aconteceu por volta das 19h. De acordo com Leonardo Pio, a mulher passou um plástico em volta do corpo e depois um cobertor. Em seguida, a amarrou e deixou em um dos quartos. Em depoimento, afirmou que deixou o corpo no local para pensar o que iria fazer. Por volta das 0h, quando a rua já estava cheia de pessoas, policiais militares, e bombeiros, que procuravam a garota, resolveu jogar Amanda da janela.

O inquérito policial deve ser concluído em até 10 dias. Sara será indiciada por homicídio qualificado – por motivo fútil e asfixia – além de fraude processual, pois alterou a cena do crime. Se condenada, pode pegar mais de 30 anos de prisão. “Ela mostra total desamor a vida alheia”, afirmou o delegado sobre o perfil de Sara.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade