Publicidade

Estado de Minas

Mais um político é preso por tentar golpe das indenizações da tragédia de Brumadinho

Vereador Josimar Silva Cardoso (PDT), 29 anos, de Mário Campos, na Grande BH, afirmou ter arrendado um terreno em Brumadinho e solicitou indenização de R$ 800 mil. Mas a propriedade era de outra pessoa


postado em 08/08/2019 14:35 / atualizado em 08/08/2019 17:35

Barragem do Córrego do Feijão, da Vale, se rompeu em 25 de janeiro(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)
Barragem do Córrego do Feijão, da Vale, se rompeu em 25 de janeiro (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)

O desrespeito com os familiares de vítimas da tragédia de Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, e moradores da cidade que ainda sentem o efeito do rompimento da barragem da Vale, continua. Ignorando a dor das pessoas, criminosos estão tentando aplicar golpes para receber os valores das indenizações pagas pela mineradora. Desta vez, um vereador foi preso por estelionato ao afirmar que tinha um terreno na cidade. Ele tentou receber R$ 800 mil, mas acabou descoberto. A propriedade era de outro morador. Outra pessoa ligada a política também já tinha sido presa. Em março, a candidata a deputada distrital em Brasília Ana Maria Vieira Santiago, de 57, foi detida.

A prisão do vereador Josimar Silva Cardoso (PDT) , de 29 anos, conhecido como Preto do Bela Vista, foi feita pela Polícia Civil nessa terça-feira. Porém, as informações foram divulgadas nesta quarta-feira. Segundo as investigações, o parlamentar afirma ter arrendado um terreno em Brumadinho onde produzia insumos agrícolas. A intenção era receber indenização de R$ 800 mil por parte da Vale.

A situação foi apurada pela Polícia Civil que descobriu que o terreno pertencia a uma outra pessoa.  O parlamentar também tentou receber a indenização destinada aos moradores. De acordo com a Polícia Civil, as investigações vão continuar para verificar se há outras pessoas envolvidas com este  crime.

O Deputado federal Mário Heringer, presidente do PDT de Minas Gerais, condenou a prática dos estelionatários e indicou que o vereador pode ser expulso do partido caso fique comprovado o crime. "Em meio a tanta dor de perdas irreparáveis causada por uma das maiores tragédias humanas do país, é extremamente chocante constatar práticas ilegais em busca de aproveitamento financeiro ilícito. Nós, do PDT, condenamos qualquer tipo de conduta criminosa. Atestar a prática de estelionato envolvendo indenizações de vítimas da tragédia de rompimento de barragem, é, lamentavelmente, atestar também o nível mais baixo a que se pode chegar a covardia humana. O PDT possui mecanismos legais para afastar de imediato e de forma permanente qualquer representante do partido que pratique esse tipo de conduta criminosa e qualquer outro tipo de ilicitude”, disse, por meio de nota.

Vereador foi preso nessa quarta-feira(foto: Reprodução/Câmara de Vereadores de Mário Campos)
Vereador foi preso nessa quarta-feira (foto: Reprodução/Câmara de Vereadores de Mário Campos)
Outra pessoa ligada a política já tinha sido presa por tentar receber a indenização. Em março, a candidata a deputada distrital em Brasília Ana Maria Vieira Santiago, que disputou o cargo nas eleições de 2014 pelo MDB e se filiou posteriormente ao PR, foi detida. Ela foi descoberta depois de ter requisitado dois auxílios à Vale alegando ser detentora de uma propriedade em Brumadinho, no Bairro Parque da Cachoeira, destruído pelo rompimento.  A candidata chegou a receber R$ 50 mil de indenização e depois, requistiou mais R$ 15 mil devido às atividades agrícolas. Mas foi descoberta.

Outros estelionatos


O Estado de Minas mostrou na edição do dia 1º de agosto que foram ao menos 78 casos possíveis de tentativas de fraudes nos auxílios pagos pela mineradora Vale. De acordo com a Polícia Civil de Minas Gerais, esse é o número de casos investigados, sendo que 30 suspeitos chegaram a ser presos, 16 deles libertados sob fiança equivalente ao valor recebido indevidamente. Outros 48 casos são investigados por terem apresentado inconsistências com o registro de vítimas, locais de residência ou autenticidade de documentos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade