Publicidade

Estado de Minas

Companhia de dança coloca vítimas de Brumadinho no palco e vence maior festival do mundo

Grupo de Paraopeba conquistou terceiro prêmio consecutivo no Festival de Joinville


postado em 26/07/2019 11:28 / atualizado em 26/07/2019 11:36



No dia em quem foram completados seis meses do rompimento da barragem da Vale, que deixou 248 mortos e 22 desaparecidos em Brumadinho, na Grande BH, uma companhia de dança formada por moradores da região recontou o desastre no palco para mais de 10 mil pessoas e venceu uma das categorias do Festival de Joinville. Ele é considerado a maior competição de dança do mundo desde 2005, quando foi reconhecido pelo Guinness Book. 

A Cia Jovem de Paraopeba, criada na cidade de mesmo nome, conquistou o 1º lugar na categoria grupo sênior da Dança Contemporânea na noite dessa quinta-feira, 26 de julho. Com a coreografia “Efeito Cascata”, eles representaram o sofrimento dos atingidos pelo rompimento da barragem em janeiro. Segundo o coreógrafo Alan Keller, os movimentos foram inspirados na avalanche de lama, que também estava representada nos figurinos. 

Coreógrafo convidou moradores ao longo do Rio Paraopeba para subir no palco com os 22 bailarinos da apresentação(foto: Renata Ataíde/Divulgação)
Coreógrafo convidou moradores ao longo do Rio Paraopeba para subir no palco com os 22 bailarinos da apresentação (foto: Renata Ataíde/Divulgação)


A apresentação começa com 22 bailarinos no palco e, ao final, 45 pessoas representavam a cidade de Paraopeba, cujo rio de mesmo nome foi comprometido pelos rejeitos da mineração.  Alan Keller convidou moradores da população ribeirinha, afetados pelo crime ambiental, para compôr o grupo. “Tínhamos o dever de contar essa história que mudou a vida de milhares de pessoas”, disse. Eles dançaram ao som de uma versão do Hino Nacional feita especialmente por Chico Lobo e Sérgio Pererê, com produção de Ricardo Gomes.

Tricampeonato




Este é o terceiro prêmio consecutivo da Cia Jovem de Paraopeba nessa categoria Festival de Joinville, feito inédito na competição. Trabalhando com temas fortes, a companhia ganhou em outra ocasião com uma coreografia que retratava a guerra na Síria. 

Os bailarinos voltam ao palco no sábado para a noite dos campeões e também foi indicada como melhor grupo do festival. 

História


O projeto começou em 2005 na intenção de oferecer aulas gratuitas de dança para jovens entre 13 e 18 anos de escolas públicas. Com o passar dos anos, os alunos foram se profissionalizando e os artistas foram ganhando reconhecimento no mercado. Atualmente, a Cia Jovem de Paraopeba é referência na formação de bailarinos e atua em três frentes de trabalho: a Paraopeba Cia de Dança (grupo profissional) composto por nove bailarinos, a Cia Jovem de Paraopeba (nível profissionalizante), que tem 30 alunos e o Dança Paraopeba, com 80 crianças. A Prefeitura de Paraopeba também apoia o grupo. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade