Publicidade

Estado de Minas

Com atraso, sequenciador de DNA chega para ajudar em Brumadinho

O aparelho será usado pelo Instituto de Criminalística para ter mais precisão e rapidez na identificação genética dos fragmentos de corpos na área de rompimento das barragens


postado em 31/07/2019 08:46 / atualizado em 31/07/2019 13:41



Com quase 15 dias de atraso, chegou ao Instituto de Criminalística de Minas Gerais um equipamento sequenciador de DNA que trará mais agilidade ao verdadeiro quebra-cabeças que se tornou a identificação dos fragmentos de corpos encontrados pelos Bombeiros Militares na área do desastre do rompimento das três barragens da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho. Contudo, só será instalado no próximo dia 5.

O aparelho chamado Illumina deveria ter chegado no dia 15, quando 137 segmentos de corpos eram examinados por uma força-tarefa que já atua a 6 meses, desde o rompimento, em 25 de janeiro deste ano. Porém, devido aos trâmites alfandegários, houve o atraso.

Estão empenhados na tarefa, ao todo, 200 servidores do IML e 40 do Instituto de Criminalística, em especial o Laboratório de DNA, e da Seção de Crimes contra a vida, além de técnicos de laboratório e de necrópsia contratados pela Vale.

Fragmentos de corpos encontrados pelos bombeiros precisam ser analisados pela Polícia Civil(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A.Press)
Fragmentos de corpos encontrados pelos bombeiros precisam ser analisados pela Polícia Civil (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A.Press)


A aquisição da máquina foi feita pela Vale, ao valor de cerca de R$ 2 milhões, como uma forma de conseguir identificações mais precisas mesmo nos fragmentos que se encontram em pior estado de conservação.

As formas de identificação de corpos pela Polícia Civil são feitas pelas digitais, pela arcada dentária e pelo exame de DNA. A identificação genética é feita com material coletado dos familiares ou em pertences da própria vítima, como células que podem ter ficado numa escova de dentes ou pete. A sequência de material dos parentes é comparada com a de DNA encontrada no segmento de corpos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade