Publicidade

Estado de Minas

Projeto da Santa Casa de BH nas escolas treina professores e pais sobre diabetes


postado em 06/08/2019 18:47 / atualizado em 06/08/2019 19:02

Orientações sobre monitoramento das glicemias é um dos temas do treinamento oferecido pela Santa Casa de BH(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Orientações sobre monitoramento das glicemias é um dos temas do treinamento oferecido pela Santa Casa de BH (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Escola também é lugar de cuidar da saúde. Iniciativa da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte entrou nas salas de aulas para capacitar professores, pais e alunos sobre o cuidado com o diabetes e conscientizá-los sobre a doença. Há três anos em ação, o projeto Diabetes nas escolas já mudou a realidade de centenas de pessoas por meio de treinamentos presenciais e on-line. Expectativa é ampliar a rede para todo o país e evitar que estudantes sofram outro duro golpe para além da doença: o sofrimento causado pelo desconhecimento.

O projeto nasceu em 2015, com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), a partir do resultado de pesquisa que apontou que as escolas municipais de Belo Horizonte não estão preparadas para acompanhar crianças com diabetes tipo 1, o mais grave entre os dois tipos. Ele é diagnosticado quando o pâncreas para de produzir completamente a insulina. É uma doença autoimune, o que significa que o próprio corpo, por meio do sistema imunológico, ataca as células que produzem insulina no pâncreas. Isso faz com que o corpo seja incapaz de controlar a quantidade de glicose no sangue.

O levantamento identificou o desenvolvimento de ações educativas para garantir a segurança durante a idade escolar, além de avaliação da situação escolar no país, onde não há normas estabelecidas para essa realidade. “A equipe escolar – professores, funcionários e dirigentes – precisam estar capacitados para receber o aluno com diabetes em sala de aula. É necessário o conhecimento sobre a doença, hiperglicemia, hipoglicemia e monitoramento das glicemias e, principalmente, as formas de auxiliar as crianças em possíveis situações de emergências”, afirma o texto do projeto.

Ele tem como objetivo capacitar os profissionais das escolas de ensino médio e fundamental e de creches, públicas ou particulares, sobre os cuidados necessários com o aluno com diabetes a fim de que os pais e alunos tenham segurança em relação ao tratamento durante o período escolar; contar com os profissionais das escolas como membros da equipe de tratamento do diabetes; e desmistificar a doença, dando o apoio necessário para que o bullying não ocorra com esses estudantes nas escolas. Também visa orientar todos os alunos e seus pais sobre a importância da prevenção do diabetes e obesidade, além de alertar profissionais de saúde e da educação em relação às dificuldades do aluno com a doença nas escolas.

Os atendimentos do Centro de Referência Diabetes nas Escolas (CRDE) são prestados por uma equipe interdisciplinar composta por profissionais do mestrado profissional em educação em diabetes do Instituto de Ensino e Pesquisa Santa Casa de Belo Horizonte (o primeiro e único mestrado do país voltado para educação em diabetes) e da Clínica de Endocrinologia do hospital. Outra missão do programa é a prevenção ao tipo 2 da doença, por casa a obesidade infantil, com campanhas de educação alimentar e de exercícios físicos. Presencialmente, foram treinados 250 professores e à distância, mais de 400.

“Estamos tentando expandir esse centro de diabetes para todo o país para unir as pontas: pais, profissionais de saúde e escola”, diz. Segundo Janice, a grande dificuldade na escola não é relação ao tratamento, mas ao preconceito. “Até hoje, crianças são excluídas de festinhas porque acham que não podem comer a mesma coisa. Quando pais relatam que criança tem diabetes, os colégios não querem aceitar matrícula. Crianças fazem xixi no meio da sala porque pedem para ir ao banheiro e beber água e professor acha que tá fazendo manha (excesso de urina e sede são alguns dos sintomas). Se conseguir desmistificar a doença e evitar esses horrores estaremos ajudando muita gente.”

As escolas interessadas em participar podem fazer a solicitação pelo e-mail diabetesnasescolas@santacasabh.org.br ou cadastrar a escola para treinamento diretamente no link do projeto.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade