Publicidade

Estado de Minas

Restaurados, postes do Viaduto Santa Tereza são recolocados

Luminárias de estilo republicano foram totalmente recuperadas e começaram a ser instaladas nas laterais do viaduto


postado em 05/08/2019 06:00 / atualizado em 05/08/2019 07:57

Peças de ferro já foram recuperadas e começaram a ser instaladas nas laterais do Viaduto Santa Tereza neste fim de semana(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
Peças de ferro já foram recuperadas e começaram a ser instaladas nas laterais do Viaduto Santa Tereza neste fim de semana (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)


Depois de 10 meses, o Viaduto Santa Tereza, elevado que liga o Centro de Belo Horizonte ao Bairro Floresta, começa a retomar suas características originais da década de 1920. Após passarem por um longo processo de restauração, os 37 postes com 74 luminárias do estilo republicano já estão totalmente requalificados e voltam ao cartão-postal da cidade. A Belo Horizonte Iluminação Pública (BHIP), concessionária responsável pela modernização da iluminação da cidade, já começou a instalar algumas peças que compõem os postes. Os postes foram retirados em outubro do ano passado e lâmpadas provisórias de LED colocadas no lugar. O Viaduto Santa Tereza é um dos 13 pontos previstos no contrato da BHIP que receberão iluminação de destaque, realçando suas características históricas.

O trabalho será feito no período noturno, em razão da necessidade de usar guinchos para içar as peças dos postes, que são de ferro fundido e, por isso, bastante pesadas. O serviço será feito sempre de noite e a expectativa da empresa que vai colocar os postes para a BHIP é de 15 a 20 dias para montar tudo. A restauração manteve a originalidade das peças, desde os vincos trabalhados a mão até a pintura em vermelho sólido. O sistema de alimentação de energia também foi reconstituído, com nova fiação totalmente embutida no viaduto. O objetivo foi eliminar interferências visuais e valorizar a beleza do pontilhão. As luminárias do estilo neoclássico vão receber lâmpadas de vapor metálico, com tonalidade amarela, se aproximando do projeto original.

Peças de ferro fundido que vão compôr os postes(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
Peças de ferro fundido que vão compôr os postes (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)


A montagem ocorre diretamente no local, mas a reportagem do Estado de Minas teve acesso às peças totalmente restauradas antes de ornamentarem o cartão-postal da cidade. De acordo com o presidente da BHIP, Marcelo Bruzzi, uma empresa especializada em restauro de patrimônio histórico ficou responsável pelo serviço. Quando os técnicos avaliaram as estruturas dos postes, perceberam que a ferrugem tinha atacado o material. “Tivemos que refazer essas partes e depois ainda foi necessário fazer testes de força na estrutura do viaduto para ver se suportaria”, afirma Bruzzi. A reconstituição das estruturas dos postes também será importante para evitar acidentes como o que ocorreu em setembro, quando uma das luminárias despencou e atingiu veículos que passavam pela Avenida dos Andradas.

Mudanças também na orla da Pampulha


O presidente da BHIP informou que a concessionária aguarda a autorização da Infraero para colocar em prática o projeto de iluminação da barragem da Lagoa da Pampulha, anunciado em primeira mão pelo Estado de Minas. Como o local fica próximo à pista do Aeroporto da Pampulha, a concessionária desenvolveu um projeto para evitar interferência luminosa na operação dos aviões e fez um teste, que, segundo Marcelo Bruzzi, foi aprovado por órgãos como Infraero e Prefeitura de BH. “Nós fomos autorizados a fazer esse teste no fim de junho e ele foi aprovado. O projeto já está pronto, foi aprovado por órgãos de patrimônio e pela prefeitura e agora estamos tentando pegar a formalização junto à Infraero ou Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para começar a implantar. Já compramos as estruturas e estamos aguardando”, afirma.

Em nota, a Infraero informou que como os trechos a serem iluminados estão fora da pista do aeroporto, o órgão a ser procurado é a Prefeitura de BH (PBH). A Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) informou, também por meio de nota, que a iluminação na barragem da Pampulha está prevista para ser implantada até outubro, conforme prazo contratual. Acrescentou que não há qualquer autorização pendente para a implantação da iluminação por parte da PBH.

Bases vermelhas e hastes guia para o restante da estrutura já foram montadas. Serviço será feito sempre à noite (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
Bases vermelhas e hastes guia para o restante da estrutura já foram montadas. Serviço será feito sempre à noite (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)


Renovação de lâmpadas em outros cartões-postais


O contrato de concessão da iluminação pública de BH prevê a troca de 182.257 pontos de luz da cidade de vapor de sódio para LED em três anos, iniciados a partir de junho de 2017. Até o momento, segundo a BHIP, quase 100 mil pontos já funcionam com a tecnologia LED. Já foram concluídas as regiões de Venda Nova, Barreiro, Norte, Nordeste, Leste, Oeste e parte do Centro de BH. Com relação à iluminação de destaque, dos 13 projetos previstos já foram concluídas as iluminações especiais da Praça do Papa, Mirante das Mangabeiras e Praça Duque de Caxias (Santa Tereza). Até outubro serão entregues as novas iluminações do Museu de Arte da Pampulha, da Casa do Baile, do entorno da Lagoa da Pampulha e da Praça Alberto Dalva Simão. Até outubro de 2020 estão previstos o Parque Municipal Américo Renné Giannetti, a Praça da Estação e o Museu de Artes e Ofícios.

Patrimônio da capital mineira

(foto: O Cruzeiro/Arquivo EM/1954)
(foto: O Cruzeiro/Arquivo EM/1954)

Projetado pelo engenheiro Emílio Baumgart, o Viaduto Santa Tereza foi construído em 1929, tem 390 metros de extensão e foi um dos primeiros do país a usar estrutura em concreto armado. Ele foi pensado para ligar o Centro da capital aos bairros Floresta e Santa Tereza. O conjunto da Praça Estação que contempla o elevado, foi reconhecido como patrimônio cultural em 1988 pelo Estado de Minas Gerais e pelo Conselho Deliberativo do Patri­mônio Cultural do Município de Belo Horizonte. Além do grande fluxo diário de pedestres e veículos, o viaduto é palco de diversas apresentações artísticas, exposições e shows. 


Publicidade