Publicidade

Estado de Minas

Instituição filantrópica de Carangola vence corrida contra infecção hospitalar na UTI

Integrante de plano do Ministério da Saúde para controlar riscos, Casa de Caridade de Carangola, que tem 90% dos leitos dedicados ao SUS e é referência na Zona da Mata, adianta meta ao completar nove meses sem nenhum caso de contaminação de pacientes


postado em 24/07/2019 06:00 / atualizado em 24/07/2019 08:16

Profissionais da instituição discutem controle da UTI da Santa Casa de Caridade de Carangola(foto: Miria Bonjour/Divulgação)
Profissionais da instituição discutem controle da UTI da Santa Casa de Caridade de Carangola (foto: Miria Bonjour/Divulgação)

As infecções hospitalares figuram entre as causas de morte mais recorrentes nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) em todo o Brasil. Muitas vezes, os pacientes encaminhados para receber tratamento intensivo não morrem pelas doenças de base que os levaram à internação, mas pelas complicações adquiridas no local. Por isso, o controle dessas infecções torna-se desafio para que as unidades sejam espaços de vida e não de morte, como pode parecer ao senso comum.
 
A Casa de Caridade de Carangola tem vencido o desafio. Há nove meses não registra nenhum caso de infecção hospitalar na UTI. Filantrópico, o hospital referência na região da Zona da Mata, que destina 90% dos leitos aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), é um dos 119 que fazem parte do projeto “Melhorando a segurança do paciente em larga escala no Brasil”, desenvolvido pelo Ministério da Saúde.
 
“A infecção hospitalar é a segunda causa de mortalidade mais comum. Não é patologia”, diz o intensivista Sídiner Mesquita Vaz, que é coordenador da UTI da Casa de Caridade Carangola. A contaminação ocorre pelo fato de os procedimentos na UTI serem invasivos, o que permite a chegada de bactérias nocivas. No tratamento intensivo, o paciente recebe tubo na garganta, cateter venoso central e cateter vesical de demora. “Esses três dispositivos são responsáveis pelas infecções na UTI. São portas de entrada”, afirma.
 
A adesão da Casa de Caridade ao projeto Melhorando a segurança ocorreu em dezembro de 2017. A meta era reduzir as taxas de infecção hospitalar em 30% até o fim de 2018 e em 50% até 2020. No entanto, o hospital mineiro não só chegou ao objetivo bem antes como o superou. O hospital atende à rede referência de 400 mil habitantes na Zona da Mota, principalmente vítimas de traumas. Também recebe pacientes com doenças cardiovasculares ou que sofreram acidentes vasculares cerebrais (AVC). “Estamos com 18 meses de projeto e já atingimos 100% de redução. São nove meses sem nenhuma infecção associada”, informa Sídiner Mesquita.

Diante dos bons resultados no setor de tratamento intensivo, a direção da Casa de Caridade avalia ampliar o projeto para todas as áreas do hospital. “Ultrapassamos a meta. Estamos em fase de expansão para fora das paredes da UTI. Queremos implementar a tecnologia de trabalho para as outras unidades de internação do hospital”, completa.
 
A experiência da Casa de Caridade demonstra que para reduzir as taxas de infecção hospitalar não são necessários investimentos vultosos. Basta estar atento aos procedimentos, procurando aprimorá-los. “Buscamos o que é mais barato e o que não vai onerar nosso serviço. São procedimentos de custo muito baixo, quase nulos em alguns casos”, diz sobre a mudança de técnicas para implementar as melhorias. “O custo/benefício é muito significativo”, afirma.
 
A mudança do grau da cabeceira do leito, por exemplo, pode impedir que pacientes que tratam de pneumonia adquiram infecção hospitalar. “Não precisei gastar nada para implementar essa medida.” Em alguns casos, o procedimento é fazer o investimento correto. “Vou deixar de comprar determinada marca de bolsa coletora de urina apesar de ser barata por ter qualidade ruim e, por isso, vazar”, exemplifica.

Santa Casa de Caridade de Carangola está no projeto desde 2017(foto: Casa de Caridade de Carangola/Divulgação)
Santa Casa de Caridade de Carangola está no projeto desde 2017 (foto: Casa de Caridade de Carangola/Divulgação)

 
O coordenador explica que, embora o preço da bolsa coletora possa ser um pouco mais alto, o ganho a longo prazo é maior. “Não mantenho custo da bolsa, mas consigo reduzir a zero a infecção. Com o tratamento da infecção gasto R$ 1 mil por dia com antibióticos. As infecções aumentam o tempo de ventilação mecânica, o gasto com sedação, o gasto com oxigênio, o tempo que o paciente vai ficar na UTI”, completa.
 
Os bons resultados ocorrem devido à troca de conhecimentos entre hospitais privados que são referência e instituições ligadas ao SUS. A ação colaborativa com a Casa de Caridade é realizada pelo Hospital Israelita Albert Einstein. Participam ainda do projeto nacional o HCor, Sírio-Libanês, Alemão Osvaldo Cruz, três instituições de referência de São Paulo, e o Hospital Moinhos de Vento, de Porto Alegre. Cada hospital de excelência é tutor de 24 outros.
 
Para aderir ao projeto, os hospitais particulares recebem benefícios no Imposto de Renda. “Entre os 24 hospitais de que o Einstein cuida, a Casa de Caridade Carangola tem sido um destaque. Participa ativamente de todas as atividades. E conseguiu construir o projeto dentro da instituição de modo que os técnicos de enfermagem têm atuado na condução da visita multiprofissional, o que tem sido muito enriquecedor”, afirma a médica especialista em melhoria contínua Paula Tuma, que coordenada o projeto pelo Hospital Israelita Albert Einstein.

HUMANIZAÇÃO Como parte do projeto, a Casa de Caridade também implementa ações para humanizar a UTI. Uma delas é a visita estendida, depois de 48 horas de entrada do paciente na unidade. Os visitantes podem ficar 24 horas com os pacientes. Outra medida é a permissão da entrada de cães de estimação para visitar o doente. Para que o animal possa entrar na UTI, ele tem que ser liberado por veterinário, com atestado de vacinação, vermifugação e banho. Os cãezinhos levam alegria aos pacientes, um ótimo medicamento.
 

Controle do perigo


Confira os números dos eventos adversos hospitalares no Brasil e os dados do Melhorando

Risco na internação
» A mortalidade associada aos eventos adversos em hospitais está entre a 1ª e a 5ª causa de óbitos no Brasil
» 104.187 a 434.112 possíveis óbitos associados a eventos adversos hospitalares/ano
» R$ 15,5 bilhões gastos pela insegurança assistencial hospitalar

Projeto Melhorando a segurança do paciente em larga escala no Brasil
» Investimento de R$ 17 milhões
» Objetivo é salvar 8.500 vidas nas 120 UTIs dos hospitais participantes
» Meta de reduzir em R$ 1,2 bilhão os desperdícios
Fonte: Ministério da Saúde 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade