Publicidade

Estado de Minas

Moradores de rua dizem o 'sim' ao som de 'É o amor' em casamento em BH

Selma Zenilda, de 42 anos, e João Ramalho, de 38, se conheceram em Itaúna e vieram para capital há 2 anos, quando resolveram selar a união com a cerimônia


postado em 11/07/2019 09:27 / atualizado em 11/07/2019 18:01

(foto: Jair Amaral /EM/D.A.Press)
(foto: Jair Amaral /EM/D.A.Press)

Embaixo de frondosa árvore na Avenida Olegário Maciel, Selma Zenilda, de 42 anos, e João Ramalho, de 38, disseram sim na cerimônia que celebrou a união do casal que se encontrou nas ruas. Sem-teto, eles se conheceram em Itaúnas, apaixonaram-se e resolveram se mudar para Belo Horizonte há dois anos. Apesar da dureza das ruas, o afeto entre eles cresceu como a flor de lótus. Veio o gostar, o querer bem e, então, Selma avaliou que era o momento de se casarem. Mas como fazer a celebração morando na rua?

 

Os comerciantes da região se juntaram para fazer a cerimônia, que parou a Avenida Olegário Maciel, na região Centro-sul da capital, na manhã desta quinta (11). João estava ansioso à espera da amada, que, como manda a tradição, atrasou alguns minutos. A avenida se transformou na nave da igreja por onde a noiva seguiu acompanhada até encontrar o companheiro. De branco, com véu, maquiagem impecável e buquê nas mãos, Selma se emocionou com o  momento. "Ele gosta de mim e eu gosto muito dele", afirmou.

 

 

João repetiu diversas vezes que a amava e, com ela, quer viver por toda a vida. Comerciantes, pessoas que passavam pela região pararam para assistir à cena e registrar o momento de amor entre o casal que de posses tem o aconchego um do outro e da cachorrinha Lilica. Para a festa não faltou nada. Bolo de noivasalgados e até espumante. Também teve chuva de arroz e Selma jogou o buquê.  Os convidados  presentearam os noivos, deixaram os votos em um caderno que registrou a presença de todos.

 

A cerimônia foi promovida pela equipe do Centro de Referência Especializado de Assistência Social.  "Eles externaram o desejo de se casarem. Fizemos a cerimônia para mostrar que, mesmo na rua, é possível se amar, encontrar a cara metade e seguir à frente", afirma a supervisora de serviço especializado em abordagem  social, Fátima Gomes Pereira.  

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade