Publicidade

Estado de Minas

Bombeiros resgatam bicho-preguiça na BR-116

Animal foi visto às margens da rodovia com risco de ser atropelado. Bombeiro alerta que ocorrências têm aumentado por causa dos incêndios na vegetação


postado em 01/07/2019 12:35 / atualizado em 01/07/2019 12:56

Após o resgate, bicho-preguiça foi deixado em seu habitat(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Após o resgate, bicho-preguiça foi deixado em seu habitat (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)


Um bicho-preguiça foi resgatado às margens da BR-116 em Leopoldina, na Zona da Mata. O animal foi flagrado por um morador do Bairro Quinta da Residência nesse domingo e ele chamou o Corpo de Bombeiros para retirá-lo, já que havia o risco de atropelamento. 


(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
O sargento Franco, do Corpo de Bombeiros, informou que as queimadas destroem a vegetação nativa, moradia desses animais. Por conta disso, o índice de resgate de espécimes e também de ocorrências com animais peçonhentos tem aumentado na região. 

Em Minas Gerais, o tempo seco e a ação humana contribuem para o aumento do número de queimadas entre os meses de junho em agosto. No mês passado, a reportagem do Estado de Minas mostrou que até 22 de junho, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) já havia detectado, via satélite, 197 focos ativos (incêndios de qualquer natureza e intensidade) em Minas Gerais – o maior índice entre todos os meses de 2019 até aqui, apesar de faltar mais de uma semana para o fim do mês. No ano, são 805, mais da metade do total registrado em toda a Região Sudeste. 

Bicho-preguiça estava às margens de uma estrada(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Bicho-preguiça estava às margens de uma estrada (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)


A série histórica levantada pelo Inpe mostra o quanto os números desse tipo de ocorrência disparam durante essa estação do ano: nos últimos 20 anos, ocorreram, em média, mais de 5,6 mil queimadas entre junho e setembro, quando acontecem o solstício e equinócio do inverno. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade