Publicidade

Estado de Minas

Forças de segurança ainda buscam mais de 10 criminosos na região de Uberaba

Militares de ao menos cinco batalhões e equipes da Polícia Civil fazem uma grande operação na região na procura dos bandidos. Já foram presos 10 integrantes da organização criminosa


postado em 27/06/2019 18:03 / atualizado em 27/06/2019 18:26

Polícia conseguiu prender 10 integrantes da quadrilha(foto: Sérgio Teixeira)
Polícia conseguiu prender 10 integrantes da quadrilha (foto: Sérgio Teixeira)

O cerco foi fechado na Região do Triângulo Mineiro para tentar capturar integrantes da organização criminosa que impôs o terror em Uberaba durante o ataque a uma agência bancária. Militares de ao menos cinco batalhões e equipes da Polícia Civil fazem uma grande operação na região na procura dos bandidos. Já foram presos 10 homens que participaram do crime. A quarilha seria de Campinas e especializada neste tipo de ataque. 

Ver galeria . 23 Fotos Criminosos levaram pânico à cidade de Uberaba na madrugada desta quinta. Eles explodiram uma agência bancária e se envolveram em um tiroteio. Duas pessoas ficaram feridas. Um vídeo que circula nas redes sociais mostra mulheres e crianças deitados no chão em um hospital da cidade para se proteger do tiroteioReprodução da internet/Twitter
Criminosos levaram pânico à cidade de Uberaba na madrugada desta quinta. Eles explodiram uma agência bancária e se envolveram em um tiroteio. Duas pessoas ficaram feridas. Um vídeo que circula nas redes sociais mostra mulheres e crianças deitados no chão em um hospital da cidade para se proteger do tiroteio (foto: Reprodução da internet/Twitter )


Uma grande operação foi montada até mesmo com militares que estavam de folga e de férias. Além de policiais de Uberaba, agentes de Uberlândia, Araxá, Frutal, e Patos de Minas, auxiliam na ação. “Mais de 20 militares do Bope (Batalhão de Operações Especiais) vieram para a cidade em aeronaves, sendo uma delas o jato do Governador. Então, conseguimos deslocar para fazer uma frente rápida. E é isso que a PM consegue fazer hoje. Além disso, temos os grupos de meio ambeiten e rodoviário que prestam o serviço de monitorar. Estão treinados para o enfretnamento deste tipo de criminalidade”, explicou o major Flávio Santiago, porta-voz da PM.

“É um dos grandes casos do Brasil em que a polícia consegue enfrentar e fazer com que este novo cangaço sinta as dores de um combate aproximado e com muito treinamento”, complementou.



Ataque coordenado


Os levantamentos iniciais da PM mostram que o ataque foi coordenado. Por volta das 3h45, a quadrilha fortemente armada chegou na cidade divida em vários veículos. Inclusive, utilizaram caminhões para bloquear vias e evitar a aproximação dos policiais. Depois, seguiram até a agência do Banco do Brasil, na Avenida Leopoldino de Oliveira, no Centro da cidade, onde explodiram o cofre. A quantia levada ainda não foi apurada.

O estrondo foi ouvido na região e alertou os policiais, que entraram em confronto com os bandidos. Durante a perseguição, os bandidos usaram o caminhão para bloquear o trânsito no entorno do local atacado e impedir o acesso dos agentes. Uma mulher, que estaria dentro de um carro, se recusou a se entregar. Segundo a PM, ela acabou atingida pelos criminosos com um tiro na cabeça. Outros dois homens foram feridos, um com um tiro no pé e outro por estilhaços.  Os bandidos atiraram durante muito tempo, atingindo imóveis públicos, como a Câmara Municipal e o próprio quartel do Corpo de Bombeiros.



Fuga e reféns


Depois do ataque, os criminosos fugiram e fizeram sete pessoas reféns em um caminhão que transportava trabalhadores para uma fazenda da região. O veículo foi cercado pelos policiais no km 765 da BR 262, entre Uberaba e Araxá. Mais uma vez, houve troca de tiros. Por volta das 10h30, depois de aproximadamente duas horas de negociação com os agentes, os criminosos decidiram liberar os reféns. Ao todo, 10 homens foram presos. Foram apreendidos 11 fuzis calibres 762 e 556, além de um fuzil calibre .50 e duas pistolas, uma 9 milímetros e outra .40. Além de vasta munição e coletes balísticos. 



As buscas por outros criminosos continuam. A suspeita é de que haja outros indivíduos escondidos dentro da mata, já que uma caminhonete Saveiro com marcas de sangue foi localizada próxima ao caminhão. Os policiais acreditam que a quadrilha seja composta de 20 pessoas. Policiais de ao menos quatro batalhões da PM, mais o Batalhão de Operações Especiais (Bope), participam dos trabalhos para encontar o restante do grupo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade