Publicidade

Estado de Minas

Com falta de vagas na internação, pacientes do Ipsemg ficam em corredores

Jovens e idosos amargam a falta de cuidados, de tratamento adequado e o desconforto sem perspectiva de solução rápida para o problema. Em nota, Ipsemg afirma que 'está acompanhando o atendimento realizado'


postado em 22/06/2019 13:48 / atualizado em 23/06/2019 09:02

Segundo relatos, a maioria das pessoas estão com alguma infecção, muitas delas ainda não identificadas(foto: Divulgação)
Segundo relatos, a maioria das pessoas estão com alguma infecção, muitas delas ainda não identificadas (foto: Divulgação)


Caos. Essa é a palavra que resume a situação no Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg) neste feriado prolongado. Sem profissionais, leitos e materiais suficientes, dezenas de pessoas sofrem há dias nos corredores da área de classificação da emergência, em macas ou cadeiras, esperando vaga na internação. Jovens e idosos amargam a falta de cuidados, de tratamento adequado e o desconforto sem perspectiva de solução rápida para o problema.

“Tem gente dormindo em cadeira há três, quatro dias. Não tem enfermeiro nem médico. É um paciente sendo solidário com o outro para pedir atendimento e ir ao banheiro”, relata o publicitário Marcelo Carvalho, de 34 anos. Ele está internado na unidade, porque precisa tomar um remédio a cada oito horas. “Não seria mais fácil eu vir aqui nesses períodos, para liberar vaga?”, questiona. “O descontrole está tanto que nessa sexta-feira, mesmo internado, eu saí, fui ao meu trabalho e ainda almocei com amigos, depois voltei. Uma senhora de 92 anos passou a noite toda numa cadeira que não reclina”, conta.

Segundo relatos, a maioria das pessoas estão com alguma infecção, muitas delas ainda não identificadas. Por isso, enquanto alguns pacientes tomam antibióticos, outros estão no soro. A classificação tem nove leitos, mais três para acompanhantes. Oito macas estão espalhadas pelos corredores. Estima-se que cerca de 40 pacientes mais seus acompanhantes estejam na área, que serve, em situações normais, para o encaminhamento dos pacientes para a especialidade adequada.

Quem está no local conta ainda que, pela falta de profissionais, há gente sem banho há vários dias. Toalhas também estão sendo substituídas por lençóis. São dois banheiros, sem fechadura e entupidos, e um chuveiro para servir a todos. No fim da manhã, o atendimento a pacientes sem gravidade chegou a ser suspenso.

(foto: Divulgação)
(foto: Divulgação)


“Hoje tem em serviço um grupo de enfermeiros abaixo do mínimo. Tive que comprar forro para a cama do meu cunhado. Os plásticos que põem nas camas são sacos de lixo que rasgam ao meio para cobrir os leitos. Os funcionários fazem o possível, mas a estrutura está falida”, diz o advogado Adelmo Simões, de 60 anos.

O cunhado dele, de 40 anos, está com um câncer que avança rapidamente e toma morfina a cada quatro horas numa maca no corredor. “Ele não se mexe. Hoje eu e minha cunhada conseguimos dar o banho nele, depois de quatro dias sem. Também não há comadre. Dão para fazer xixi uma garrafa de plástico cortada ao meio. A cama dele está toda molhada”, conta.

Adelmo Simões está preocupado, pois, como ainda não foi para a enfermaria, o tratamento do cunhado ainda não começou. “O mais grave aqui é o tratamento com as pessoas, que é desumano, humilhante”, disse, visivelmente emocionado. Se o familiar não for transferido neste sábado para a internação, ele vai entrar na Justiça com uma liminar para obrigar o Ipsemg a fazê-lo. “Onde está o Ministério Público para fazer cumprir o Estatuto do Idoso, diante do número grande de pessoas de idade mais avançada nessa situação? Se não tem vaga, não receba as pessoas.”

RESPOSTA

Procurada pela reportagem, o Ipsemg informou, por meio de nota, que "está acompanhando o atendimento realizado e garante a continuidade do atendimento aos beneficiários no Serviço Médico de Urgência (SMU), que encontra-se com alta demanda devido, também, às doenças de inverno principalmente as de etiologia respiratória".

A nota ainda afirma que o Instituto encerrou as incrições do processo de credenciamento para a contratação de médicos e que a compra de material passará por processo de licitação. "Nos próximos dias, esses profissionais passarão a fazer parte do quadro do hospital. A licitação para a compra de materiais também encontra-se em andamento." 

"Lembramos que em Belo Horizonte, os beneficiários voltaram a contar com atendimento no Hospital da Baleia, importante referência assistencial de saúde para os que buscam atendimentos em várias áreas como consultas ambulatoriais, oncologia, exames, cirurgias, entre outros. No interior, os hospitais credenciados vem retomando o atendimento devido a um grande esforço do governo para regularizar o pagamento da dívida encontrada com fornecedores e prestadores de serviços", encerrou a nota.
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade