Publicidade

Estado de Minas

Mulher é agredida pelo companheiro na frente da filha, em Uberaba

Criança de 11 anos viu a mãe ser agredida pelo pai dentro de carro e pediu para descer do veículo


postado em 11/06/2019 16:00 / atualizado em 11/06/2019 18:53

Homem parou o veículo na Avenida Nossa Senhora do Desterro, e desembarcou a vítima e a filha(foto: Google Maps/Reprodução)
Homem parou o veículo na Avenida Nossa Senhora do Desterro, e desembarcou a vítima e a filha (foto: Google Maps/Reprodução)

Uma mulher foi agredida dentro de um carro, na frente da filha de 11 anos, em Uberaba, no Triângulo Mineiro. A violência ocorreu na noite dessa segunda-feira. A mulher contou aos policiais que tem um relacionamento com o agressor há 26 anos e que no início as agressões eram constantes, porém, há cerca de 10 anos o autor não lhe agredia.

A vítima, de 45 anos, relatou em boletim de ocorrência que estava com seu marido, de 50, em uma confraternização familiar e que ele havia consumido bebidas alcoólicas. No caminho para casa ele estava nervoso, começou a gritar com a vítima e a bater com socos no seu rosto.

As agressões ocorreram na presença da filha do casal, de 11 anos. Abalada com a situação, ela começou a chorar e pediu para descer do carro. O pai parou o veículo na Avenida Nossa Senhora Desterro e a vítima e a filha desceram. 

Uma testemunha que viu as duas descendo do carro chorando, anotou a placa do veículo do autor e chamou a polícia. A PM levou a mulher à Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) Parque do Mirante, onde recebeu atendimento médico. Os militares suspeitavam de fratura, pois o rosto da vítima sangrava muito. Após radiografia foi constatado que não houve fratura. 

A PM tentou localizar o homem na residência do casal, mas ele não foi encontrado. A polícia informou que a vítima foi orientada a se deslocar para a Delegacia de Atendimento a Família e a Mulher para representar o fato.

Procurada pelo Estado de Minas, a Polícia Civil informou que os suspeito foi localizado, mas não se encontra preso. A possível prisão só virá com o andamento das investigações.

* Estagiária sob supervisão da subeditora Ellen Cristie.
 


Publicidade