Publicidade

Estado de Minas

Irmãs são presas por furtar idosos; em um ano, elas conseguiram R$ 200 mil

Investigações apontam que elas entravam na residência da pessoa e, após conquistar a confiança da vítima, furtavam bolsas, dinheiro, joias, cartões e outros objetos


postado em 03/06/2019 12:37 / atualizado em 03/06/2019 12:54

Marize Aparecida de Oliveira e Magna Oliveira de Andrade foram apresentadas no Deoesp hoje(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)
Marize Aparecida de Oliveira e Magna Oliveira de Andrade foram apresentadas no Deoesp hoje (foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)


Duas criminosas suspeitas de furtar idosos foram presas pela Polícia Civil, em Ribeirão das Neves, na Região Horizonte. Estima-se que os crimes vêm sendo cometidos pelo grupo do qual elas fazem parte há quase uma década.  Em menos de um ano, elas teriam faturado cerca de R$ 200 mil. Uma das vítimas tinha 100 anos. Informações foram divulgas em coletiva de imprensa na manhã desta segunda-feira.

As principais suspeitas são as irmãs Magna de Oliveira, 51 anos, e Marize Andrade, 49 anos. Investigações apontam que elas entravam na residência da pessoa e,  após conquistar a confiança da vítima, furtavam bolsas, dinheiro, joias, cartões e anotações, procedendo saques e compras em estabelecimentos comerciais. Foram contabilizadas mais de 70 ocorrências com o mesmo modus operandi, sendo que em 40 deles há indícios da participação da dupla.

Os crimes foram praticados em mais de 20 municipios, entre eles: Abaeté, Barbacena, Boa Esperança,  Divinópolis, Lavras, São João Del Rey, entre outros. Além das irmãs, um homem identificado como Wilderley Dias da Silva, de 46 anos, foi preso. A polícia acredita qur ele era o responsável por fazer o transporte das irmãs para as cidades onde atuavam.

O delegado responsável pelo caso Thiago Machado contou que elas escolhiam uma região para atuar e visitavam cerca de 20 casas por dia. Elas diziam que faziam parte de algum grupo religioso, projeto social e, até mesmo, alegando algum problema de saúde. "Como a pessoa idosa já apresenta algum tipo de problema de saúde, muitas vezes elas perguntavam como estava a saúde do idoso e se ela havia melhorado, fazendo acreditar que a vítima já as conheciam", explicou. Assim, os idosos liberavam o acesso a residência. Na maioria das vezes, elas escolhian por pessoas com mais de 80 anos.

Posteriormente, uma das irmãs distraia a vítima enquanto a outra dizia que ia ao banheiro e vasculhava os cômodos. "Elas são muito boas de papo e conquistavam a confiança das vítimas, que é caracteristica comum dos estelionatário", acrescentou. Elas buscavam por dinheiro, joias e, principalmente, cartões de banco. 

Depois que praticavam os furtos, elas se despediam da vítima e pediam o número de telefone para "manter contato" ou marcar uma nova visita. Com isso, elas ligavam para as vítimas dizendo que eram funcionárias do banco e precisavam de atualizar um cadastro. "Já com as senhas, elas faziam saques, transferências e até mesmo compras com os cartões furtados. Uma das vítimas foi lesada em R$60 mil", explicou o delegado.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade