Publicidade

Estado de Minas

Polícia prende quatro suspeitos de aplicar golpes em pessoas carentes pela internet

Quadrilha oferecia empréstimos financeiros na internet, mas cobravam depósitos para a liberação da quantia


postado em 21/05/2019 18:24 / atualizado em 21/05/2019 18:42

Quadrilha movimentou cerca de R$ 200 mil(foto: Divulgação/PCMG)
Quadrilha movimentou cerca de R$ 200 mil (foto: Divulgação/PCMG)

A Polícia Civil de Minas Gerais prendeu, na manhã desta terça-feira, quatro pessoas suspeitas de aplicar golpes de empréstimos pela internet. Ao todo, os investigadores calcularam movimentação de cerca de R$ 200 mil por parte da quadrilha, mas o número pode ser cinco vezes maior. Os suspeitos são dois homens, de 31 e 36 anos, e duas mulheres, de 33 e 34.

De acordo com o delegado Magno Machado, da 2ª Delegacia de Crimes Cibernéticos, a quadrilha atuava pela internet. Os suspeitos ofereciam empréstimos a pessoas carentes e cobravam tarifas para efetivar a transação.  

“Após fechar o negócio, no dia seguinte eles falavam: você deve depositar x tarifa. Aí a pessoa fazia o depósito e posteriormente a quadrilha pedia novos depósitos”, explica o investigador.

A atividade dos bandidos gerava um ciclo em que a vítima acabava presa à quadrilha, que, com muito poder de persuasão, sempre conseguia tomar mais dinheiro das pessoas. Quando as vítimas já não tinham mais dinheiro ou percebiam o golpe, os suspeitos desistiam e procuravam outras pessoas para serem extorquidas.

A quantia prometida no empréstimo nunca chegava à vítima. 

De acordo com o delegado, uma vítima chegou a perder R$ 4,8 mil nas ações do bandido. Precisando de dinheiro, a vítima pediu aos estelionatários um empréstimo de R$ 5 mil. Como contrapartida, os bandidos solicitaram vários depósitos de quantias menores, de R$ 100 a R$ 200.

Todos os crimes cometidos foram em cidades da Região Metropolitana de Belo Horizonte, inclusive na capital mineira. No entanto, há suspeitas de que os bandidos tenham aplicado golpes em outros estados, o que poderia aumentar o valor movimentado para R$ 1 milhão. 

Na ação policial desta terça-feira, ainda foram apreendidos notebooks, aparelhos de celular, cartões de crédito, cheques e outros documentos. 



Publicidade