Publicidade

Estado de Minas

'O talude da cava vai se romper', afirma Agência Nacional de Mineração

ANM interditou totalmente o complexo de Gongo Soco, da Vale. Rompimento deve acontecer entre os dias 19 e 25, conforme laudos técnicos da Vale


postado em 17/05/2019 20:40 / atualizado em 17/05/2019 21:46

O centro de Barão de Cocais seria atingido em uma hora(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
O centro de Barão de Cocais seria atingido em uma hora (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)

 

“O talude da cava vai se romper com a gravidade, isso é um fato. O que estamos fazendo agora é minimizando os riscos, evitando que pessoas transitem dentro da cava ou que sejam atingidas”. É o que assegura o diretor da Agência Nacional de Mineração (ANM) Eduardo Leão sobre a situação do complexo minerário de Gongo Soco, em Barão de Cocais (Região Central).


A informação já havia sido dada pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), com base em laudos técnicos da Vale, empreendedora da mina. Em caso de rompimento do talude norte, a Barragem Sul Superior poderá se romper pelas vibrações do desmoronamento.


Por isso, a ANM suspendeu as atividades do complexo na noite desta sexta-feira (17). A partir de agora, até o talude da cava da mina romper, só poderão ser realizadas as operações seguras para recuperar a estabilidade das estruturas.


Segundo a agência, o talude norte da cava de Gongo Soco se deslocava 10 centímetros por ano desde 2012. A quantidade estava dentro do aceitável para uma cava profunda.


Contudo, desde o fim de abril, a velocidade do deslocamento aumentou para 5 centímetros por dia, de acordo com a ANM. Se esta aceleração continuar, o rompimento do talude pode acontecer entre os dias 19 e 25 de maio, de acordo com o MP e o órgão do governo federal.


A ANM também notificou a Vale e determinou que a empresa tome uma série de providências emergenciais. Algumas delas, como interditar o trecho da ferrovia que liga Vitória a Minas, já foram tomadas pela mineradora.


Outra medida é o monitoramento por vídeo em tempo real das barragens e do deslocamento do talude – também já adotada pela mineradora.


A agência determinou, ainda, a apresentação de um estudo do comportamento da possível onda gerada pelo rompimento do talude norte, avaliando o impacto nos pilares do viaduto da linha férrea Vitória/Minas. A barragem, a cava e todas as obras já estavam paralisadas desde 2016.


Essa encosta em perigo está a 1,5 quilômetro da Barragem Sul Superior. “O risco é que a vibração gerada pelo rompimento do talude seja gatilho e influencie na segurança da barragem Sul Superior. Mas isso não se tem como prever” explica Wagner Nascimento, chefe da Divisão de Segurança de Barragens de Mineração da ANM.


Caso a vibração do impacto não chegue à barragem, a estrutura se manterá na condição atual, mas existe a possibilidade da ruptura ficar restrita ao interior da cava e não extravasar o material dentro dela (água e sedimentos).


Se a barragem se romper, a onda de inundação chegaria ao Centro de Barão de Cocais em cerca uma hora. Neste sábado, a Defesa Civil estadual realiza um treinamento com 6 mil moradores desta região como prevenção em caso de desastre.

 

Com informações da Agência Nacional de Mineração (ANM) 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade