Publicidade

Estado de Minas

Moradores de Santa Luzia e Jaboticatubas mantêm tradições na sexta-feira da Paixão

Procissões com as imagens do Senhor Morto e Nossa Senhora das Dores percorrem ruas centrais das cidades


postado em 19/04/2019 20:22 / atualizado em 19/04/2019 20:55

Ver galeria . 28 Fotos Em noite de lua cheia, centenas de fiéis assistem, na frente do Santuário de Santa Luzia, em Santa Luzia, na Grande BH, à apresentação das figuras bíblicas. Logo em seguida, haverá o descendimento da cruz e procissão do enterroMarco Aurélio Fonseca/ESP/EM
Em noite de lua cheia, centenas de fiéis assistem, na frente do Santuário de Santa Luzia, em Santa Luzia, na Grande BH, à apresentação das figuras bíblicas. Logo em seguida, haverá o descendimento da cruz e procissão do enterro (foto: Marco Aurélio Fonseca/ESP/EM )
 
Ao som dos motetos (cânticos em latim) e imersos na atmosfera da Paixão de Cristo, moradores católicos de Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, seguem ritos seculares e acompanham, na noite desta sexta-feira (19), a procissão do enterro, com as imagens do Senhor Morto e de Nossa Senhora das Dores. Tendo à frente o titular da paróquia, padre Felipe Lemos, o cortejo passa pelas ruas Direita, Floriano Peixoto e Serro, com retorno à Praça da Matriz. Na chegada, haverá o canto da Verônica e a veneração do santo sepulcro.
 
Como manda a tradição, mulheres vestidas de preto cercam o esquife, logo após a cerimônia do descendimento da cruz, colocando perfume nos tecidos que envolvem a imagem de Jesus, e também orquídeas no tom lilás. Em seguida, é repartido um pedaço de algodão com o perfume. O costume é que os fiéis guardem o fragmento para proteção e bênção durante o ano, assim como uma flor ou ramos de alecrim, rosmaninho e manjericão. O cortejo é acompanhado pela banda Estrela de São João e Coro Angélico.
 
A programação da sexta-feira da Paixão começou bem cedo, às 5h, com a procissão da penitência, saindo do santuário em direção à comunidade Nossa Senhora das Graças, onde ocorreu a bênção dos penitentes. Depois, foi a vez dos meninos e meninas na via-sacra das crianças. No início da tarde, às 15h, no santuário, houve o sermão das Sete Palavras, seguindo-se a solene ação litúrgica com a adoração da cruz. Já à noite, antes do descendimento da cruz, foi feita a apresentação das figuras bíblicas.
 
JABOTICATUBAS Na cidade vizinha de Jaboticatubas, também na Grande BH, a sexta-feira da Paixão também guarda muitas tradições. Ontem (18), muitos moradores buscaram, na Serra do Cipó, ramos de arnica, pra serem abençoados na noite de hoje (19), na igreja. O objetivo é que a planta, de aroma agradável, se transforme em remédios. À frente das solenidades, está o titular da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, padre Diovani Morelli.
 
Em Jaboticatubas, dona Vanda manteve o costume de enfeitar o esquife de Jesus com orquídeas(foto: Acervo Pessoal)
Em Jaboticatubas, dona Vanda manteve o costume de enfeitar o esquife de Jesus com orquídeas (foto: Acervo Pessoal)
A procissão do enterro, que começou às 17h no Centro de Jaboticatubas, teve início na matriz, desceu a Rua Santa Luzia, passou em frente da Igreja do Rosário e contornou a Praça Central do município distante 63 quilômetros da capital. Um dos aspectos importantes é quie o esquife com o corpo do Senhor Morto segue adornado por orquídeas do jardim de Vanda dos Santos. As filhas da senhora octogenária mantêm a tradição, devido a problemas de saúde de dona Vanda. “Todos esses costumes valorizam nossa religiosidade, cultura e história. Preservamos o que aprendemos com nossos avós para transmitir às novas gerações”, diz o estudante de segurança do trabalho, Eudarlen Henrique Nascimento, que divide seu tempo entre Contagem e a terra natal.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade