Publicidade

Estado de Minas

IML identificou piloto morto em BH por meio da arcada dentária e impressão digital

Segundo a Polícia Civil, Instituto Médico Legal (IML) dispensou o exame de DNA para identificar o médico Francisco Fabiano Gontijo, de 47 anos, piloto do avião que caiu no Bairro Caiçara nesse sábado (13)


postado em 14/04/2019 15:16

(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

 

A Polícia Civil, por meio do Instituto Médico Legal (IML), identificou a vítima do acidente aéreo ocorrido nesse sábado, em Belo Horizonte, por meio de exames de impressão digital e arcada dentária. Trata-se do médico Francisco Fabiano Gontijo, de 47 anos, instrutor de voo e experiente piloto.


Com isso, a corporação dispensou a realização do exame de DNA. Em contato com o Estado de Minas no dia do acidente, ocorrido no Bairro Caiçara (Região Noroeste), a perícia confirmou que o corpo de Francisco estava completamente carbonizado, o que dificultava a identificação da vítima.


A experiência de Francisco Fabiano Gontijo a bordo do avião Socata ST-10 Diplomate pode ter sido fundamental para evitar uma tragédia de maiores proporções. Em um bairro tomado por prédios e casas, a teoria de quem viu a aeronave cair é de que o instrutor pode ter tentado direcionar o aparelho a um lote vago da Rua Minerva.


É no que acredita o contador Nélio Godinho, de uma casa vizinha ao local do acidente. “Infelizmente o piloto faleceu, mas parece que ele procurou um lote vago. Ele o avistou e deve ter mirado logo ao lado da minha casa”, avaliou.


O estrago poderia ter proporções muito maiores também se o avião caísse em uma subestação da Cemig, situada a menos de dois quarteirões. “Imagine o tamanho da tragédia que seria? Não deveria existir escola de pilotagem próxima a residências. Agora, começou a ter treinamento de helicóptero também, que é ainda mais perigoso”, disse César Morais, também morador do Caiçara, em referência às atividades de aprendizagem no Aeroporto Carlos Prates, de onde a aeronave decolou.


Levantamento feito pelo Estado de Minas mostra que, de oito acidentes em área urbana registrados em BH desde 2008, apenas um não envolveu aeronaves que decolaram do terminal.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade