Publicidade

Estado de Minas

Minas Gerais registra 36 notificações suspeitas de sarampo em 16 cidades

Números das autoridades sanitárias indicam que são cerca de 8,5 milhões de pessoas sem imunização adequada em território mineiro, considerando a primeira e a segunda doses da vacina


postado em 04/04/2019 16:06 / atualizado em 04/04/2019 19:52

Vacina está a disposição da população, gratuitamente, nas unidades de saúde do SUS(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)
Vacina está a disposição da população, gratuitamente, nas unidades de saúde do SUS (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)

O Brasil está prestes a perder o certificado de país livre do sarampo por manter a transmissão do vírus por um período superior a 12 meses. Como a doença é  altamente contagiosa, cujo agente causador é capaz de atravessar estados, países e até continentes em curto espaço de tempo, o alerta foi ligado no país. Em Minas Gerais não é diferente. O estado já notificou 36 casos suspeitos da enfermidade somente nestes primeiros meses de 2019. Números das autoridades sanitárias indicam que são cerca de 8,5 milhões de pessoas sem imunização adequada em território mineiro, considerando a primeira e a segunda doses da vacina.

Boletim divulgado nesta quinta-feira pela Secretaria de Estado de Saúde (SES/MG) mostram que os 36 casos suspeitos foram registrados em 16 municípios mineiros. Do total, 19 foram descartados e outros 16 estão sendo investigados. A maioria dos casos foi registrado na Regional de Saúde de Divinópolis, na Região Centro-Oeste de Minas.

Um diagnóstico confirmado no estado, neste ano, foi de um paciente italiano, de 29 anos, morador de Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. É tratado como um caso importado, pois a doença teria sido contraída na Europa.

A SES afirmou que, desde o início deste ano, países da Região das Américas relataram casos confirmados de sarampo em decorrência de surtos ou importação, sendo: Argentina (02 casos), Brasil (18 casos), Canadá (25 casos), Chile (03 casos), Colômbia (19 casos), Costa Rica (03 casos), México (01 caso), Caribe (02 casos), Estados Unidos (206 casos) e Venezuela (40 casos), conforme o último boletim divulgado pela OPAS.

A perda iminente da certificação internacional do Brasil está relacionada ao registro de um caso endêmico, em fevereiro deste ano, no estado do Pará, o que fez com que o alerta das autoridades sanitárias fosse ligado.

Vacinação


A estimativa da Secretaria de Estado de Saúde (SES/MG) é de que haja aproximadamente 3 milhões de pessoas entre 1 e 49 anos que não receberam a primeira dose da vacina tríplice viral – que também protege contra rubéola e caxumba. Em relação à segunda dose, a situação é ainda pior. A estimativa é de 5,5 milhões sem proteção. As doses são distribuídas gratuitamente o ano todo nas unidades do Sistema Único de Saúde (SUS). Especialistas mostram preocupação e recomendam a vacinação.

A doença


A transmissão do sarampo pode ocorrer de uma pessoa a outra por meio de secreções expelidas ao tossir, falar, espirrar ou até na respiração. O contágio pode se dar ainda por dispersão de gotículas no ar, em ambientes fechados. Por isso, é considerada uma doença infecciosa viral extremamente contagiosa. Os principais sintomas são manchas avermelhadas em todo o corpo, febre alta, congestão nasal, tosse e olhos irritados, além de poder causar complicações graves, como encefalite, diarreia intensa, infecções de ouvido, pneumonia e até cegueira, sobretudo em crianças com problemas de nutrição e pacientes imunodeprimidos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade