Publicidade

Estado de Minas

Motorista da Uber preso com maconha leva PM a apreensão de quase 400 Kg da droga

Primeira abordagem revelou 40 barras do entorpecente no bagageiro do veículo que foi interceptado. Ocorrência continuou e policiais chegaram até casa em Juatuba, completando apreensão que totalizou 254 barras de maconha pesando 381 Kg


postado em 01/04/2019 08:24 / atualizado em 02/04/2019 10:53

Droga teria sido adquirida no Paraguai, segundo um dos presos(foto: Polícia Militar/Divulgação)
Droga teria sido adquirida no Paraguai, segundo um dos presos (foto: Polícia Militar/Divulgação)
Uma denúncia anônima levou militares do 13º Batalhão da Polícia Militar a uma apreensão de 381 quilos de maconha na madrugada desta segunda-feira em Betim e Juatuba, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Segundo a PM, tudo começou quando os policiais receberam a informação de que um carro a serviço do aplicativo Uber passaria pelo Anel Rodoviário, em BH, carregado de maconha.

Uma operação foi montada, mas a abordagem só foi bem sucedida na altura do Bairro PTB, em Betim, na Grande BH. O condutor do veículo, que de fato é motorista vinculado ao app Uber, confessou que estaria a serviço do transporte de drogas para a cidade de Ponte Nova, na Zona da Mata. No bagageiro do carro a PM encontrou 40 barras de maconha pesado 1,5 quilo cada. Os policiais continuaram interrogando o preso e descobriram que o material seria originário de uma casa em Juatuba.

No endereço citado, dois homens foram vistos do lado de fora de uma casa tirando mais barras de maconha da carroceria de uma caminhonete e levando para dentro da residência. Um deles foi preso no local e admitiu ser o dono da droga. O segundo homem correu e conseguiu fugir ao se embrenhar em uma mata próxima.

Segundo a PM, os presos são Rafael William Lima dos Santos, de 28 anos, que dirigia o veículo vinculado ao aplicativo Uber, e André Luiz de Assis, de 29 anos, que disse ter buscado a droga no Paraguai. A ocorrência foi encerrada na delegacia de plantão de Betim.

Em nota, a Uber informou que "a empresa está sempre à disposição para colaborar com as autoridades no curso de investigações ou processos judiciais, nos termos da lei. Nenhuma viagem com a plataforma é anônima e todas são registradas por GPS. Isso permite que, em caso de necessidade, nossa equipe especializada possa dar suporte, sabendo quem foi o motorista parceiro, seu histórico e qual o trajeto realizado", informou a empresa.


Publicidade