Publicidade

Estado de Minas

Sobe para cinco o número de mortes por dengue em Minas neste ano

A situação pode ser ainda pior. Outros 17 óbitos seguem sendo investigados. O número de casos prováveis - que engloba os confirmados e os suspeitos - já superam 54, 6 mil


postado em 18/03/2019 18:34 / atualizado em 18/03/2019 18:46

Cuidados devem ser redobrados para evitar o avanço da doença(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Cuidados devem ser redobrados para evitar o avanço da doença (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

A dengue segue matando em Minas Gerais. O número de mortes em decorrência da doença em 2019 subiu para cinco. A situação pode ser ainda pior. Outros 17 óbitos seguem sendo investigados. O número de casos prováveis – que engloba os confirmados e os suspeitos – já superam 54, 6 mil. Mais da metade do estado está em situação de risco ou em alerta para a possibilidade de surto.

Os dados fazem parte do boletim epidemiológico divulgado nesta segunda-feira pela Secretaria de Estado de Saúde (SES/MG).  Em uma semana, três mortes foram confirmadas. No balanço divulgado em 12 de março, Minas tinha duas mortes em decorrência da enfermidade. A SES esclarece que os novos óbitos aconteceram ao longo de 2019, não nos últimos sete dias, e foram confirmados por meio de exames.

Os moradores que morreram em decorrência da doença eram moradores de Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, Arcos, no Centro-Oeste de Minas Gerais, Uberlândia, no Triângulo Mineiro, e duas de Unaí, na Região Noroeste.

O levantamento de índice rápido realizado em janeiro mostrou resultado preocupante. O resultado mostrou preocupação. Dos 853 municípios mineiros, 803 enviaram informações sobre o estudo. Destes, 129 cidades tiveram índices maiores que 4%, o que é considerado situação de risco para ocorrência de surto.

A porcentagem indica que, de cada 100 imóveis pesquisados, em quatro foram encontrados focos do mosquito Aedes aegypti, que, além da dengue, transmite os vírus da zika e da febre chikungunya. Em outros 354, o índice ficou entre 1% e 3,9%, o que indica situação de alerta. Já 320 municípios apresentaram valores até 0,9%.

Zika e chikungunya


Outras doenças transmitidas pelo Aedes aegypti também apresentam alta. Minas já registrou, neste ano, 715 casos prováveis de febre chikungunya. Entre eles, 23 gestantes, sendo três confirmações.  Em 2018, foram 11.761 notificações e duas mortes confirmadas. Uma morte ainda está sendo investigada. Não tem registro de óbitos pela enfermidade em 2019.

No caso da zika, foram registrados 222 casos prováveis da doença neste ano. Entre eles, 54 gestantes. Duas gestantes tiveram a confirmação da doença. No ano passado, foram 168 casos prováveis da doença.


Publicidade