Publicidade

Estado de Minas

Sargentos da PM são presos por tentar extorquir vítima de roubo em BH

Os dois militares, sendo um aposentado e outro da ativa, teriam se passado por policiais civis. Eles ligaram para uma vítima de roubo de carro e pediram dinheiro para fazer a devolução do veículo


postado em 09/03/2019 10:40 / atualizado em 09/03/2019 12:08

Carro levado da vítima de roubo(foto: Divulgação)
Carro levado da vítima de roubo (foto: Divulgação)

Um caso de tentativa de extorsão terminou na prisão de dois sargentos da Polícia Militar (PM)em Belo Horizonte. Uma vítima de roubo de carro recebeu ligação dos militares que pediram R$ 30 mil para devolver o veículo. A suspeita é que eles mesmos tenham levado o automóvel. Na conversa com o proprietário, se passaram por policiais civis. A corregedoria da PM e a Polícia Civil investigam o fato.

A ocorrência aconteceu nessa sexta-feira. Equipes da Polícia Civil começaram a investigar o caso depois que receberam denúncias de que pessoas se passando por policiais civis estariam ameaçando outras com objetivo de receber dinheiro.

O proprietário que teve o carro roubado, um C3, informou aos policiais civis que os sargentos teriam se apropriado do veículo dele e cobravam propina para fazer a devolução. O valor seria R$ 30 mil. Como se identificaram como policiais civis, a vítima entrou em contato com a corporação para esclarecer tal fato.

Enquanto conversava com os investigadores, recebeu uma nova ligação dos sargentos. Desta vez, eles teriam pedido R$ 15 mil. O dinheiro deveria ser depositado pela vítima em uma caçamba de lixo. Uma operação foi montada por equipes da Polícia Civil e os autores foram presos.

Um dos sargentos presos é do Comando de Aviação do Estado (Comave) da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG) e o outro seria aposentado. Os nomes não foram divulgados. Os dois sargentos foram autuados pelo crime de extorsão e entregues à Corregedoria da Polícia Militar para as medidas cabíveis.

Por meio de nota, a A Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG) afirmou que não coaduna com desvios de conduta e que a Corregedoria da Instituição acompanha o fato desde o momento da prisão dos policiais. Informou, ainda, que está adotando todas as medidas legais cabíveis ao caso, “respeitando o direito da ampla defesa e do contraditório dos envolvidos”. Os presos estão recolhidos em unidades da PM, em Belo Horizonte, à disposição da Justiça.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade