Publicidade

Estado de Minas

Mulher morre em festa de carnaval na Praça da Estação

Segundo informações do Corpo de Bombeiros, vítima foi socorrida por brigadistas com sinais de estrangulamento


postado em 05/03/2019 20:57 / atualizado em 05/03/2019 23:50

(foto: Reprodução/Corpo de Bombeiros)
(foto: Reprodução/Corpo de Bombeiros)

 

Uma mulher de aproximadamente 30 anos morreu, na noite desta terça-feira (5), durante uma comemoração de carnaval que acontecia na Praça da Estação, no Centro de BH. Segundo as primeiras informações do Corpo de Bombeiros, a vítima tinha sinais de estrangulamento.

 

De acordo com a corporação, o crime aconteceu por volta das 18h55. A vítima chegou a ser levada até o Posto Médico Avançado (PMA) situado na praça, mas já chegou ao local morta. Bombeiros e brigadistas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) tentaram reanimar a mulher por cerca de 20 minutos, mas sem sucesso.

 

Ainda segundo os bombeiros, a mulher não portava documentos, o que dificulta a identificação. Tudo aconteceu no meio da multidão que está na Praça da Estação. A perícia da Polícia Civil e oficiais da Polícia Militar já estão no local. Nenhum suspeito foi preso ainda.

 

Esta é a terceira ocorrência de destaque na Praça da Estação só nesta edição do carnaval. Na madrugada de segunda-feira (4), uma mulher de 32 foi esfaqueada no abdômen. Inconsciente, ela foi socorrida por populares até o Hospital Municipal Odilon Behrens, no Bairro São Cristóvão, Região Nordeste da capital, onde ficou internada.

 

Antes, na noite de sábado, uma jovem, 19, procurou a polícia para denunciar que foi estuprada enquanto curtia o carnaval na praça. Ela disse que se deslocava a um banheiro químico quando um homem a chamou para conversar e, de repente, puxou o short dela pela frente. A vítima contou que o suspeito é branco, forte, tem uma tatuagem tribal e estava com dois amigos.

 

Todos teriam tocado com as mãos nas partes íntimas dela. Depois disso, o homem arrancou o short dela e a estuprou. A jovem ainda relatou aos policiais militares que, durante o estupro, pediu ajuda a outra mulher que passava pelo local. Mas ela apenas sorriu e seguiu caminho.

 


Publicidade