Publicidade

Estado de Minas

Defesa Civil autoriza a volta de cerca de 20 famílias para casa em Nova Lima

Mesmo autorizadas, algumas pessoas se recusam a voltar, com medo de um possível rompimento das duas barragens com risco


postado em 27/02/2019 21:06 / atualizado em 27/02/2019 21:14

População reunida no Centro Comunitário de Macacos aguardando o transporte para os hotéis(foto: Mateus Parreiras/EM/DA Press)
População reunida no Centro Comunitário de Macacos aguardando o transporte para os hotéis (foto: Mateus Parreiras/EM/DA Press)
As coordenadorias de Defesa Civil de Minas Gerais e da cidade de Nova Lima autorizaram as pessoas que moram fora das Zonas de Autossalvamento (ZAS) a retornar para suas casas. No entanto, a medida gera desconfiança na população, que tem medo de um possível rompimento das barragens de Vargem Grande, em Nova Lima, e B3/B4, no distrito de São Sebastião das Águas Claras, mais conhecido como Macacos.

De acordo com o órgão, a área onde estão as residências das pessoas autorizadas não seria afetada pelos rejeitos em caso de rompimento de qualquer uma das duas barragens. O laudo é de responsabilidade da Vale, proprietária das duas barragens.

Questionada pelo Estado de Minas sobre o motivo pela evacuação dessas pessoas, a Defesa Civil informou que, no momento em que as sirenes de emergência das barragens tocam, não há como saber quais áreas seriam afetadas pela lama liberada. Após um estudo mais detalhado, segundo o órgão, verificou-se quais regiões seriam consideradas de autossalvamento - área que seria destruída em caso de rompimento. 

Veja no mapa a região da barragem e comunidades próximas(foto: Arte/Soraia Piva)
Veja no mapa a região da barragem e comunidades próximas (foto: Arte/Soraia Piva)


A medida deve abranger nove famílias e 24 pessoas que moram no Condomínio Solar da Lagoa, em Nova Lima. O local é considerado pelas coordenadorias como área fora de risco. Desse total, três já retornaram para as casas, conforme o coordenador de Defesa Civil de Nova Lima, Marcelo Santana. Ao todo, 71 pessoas foram evacuadas, sendo que 43 ficaram abrigadas em hotéis e 28 em casas de parentes.

Em Macacos, foram enviadas cartas informando a autorização de retorno para 11 famílias, que ao todo contabilizam 41 pessoas. Ainda não há informações sobre quantos moradores do distrito voltaram para suas residências.

Ainda segundo o coordenador, 305 pessoas foram retiradas de suas casas em Macacos. Desse total, 200 estão abrigadas em hotéis de Belo Horizonte, 57 em pousadas no próprio distrito e 40 em casas de parentes.


Medo

 
Apesar de a Defesa Civil emitir a autorização, algumas pessoas resistem a retornar para suas casas. Esses moradores têm medo de que, mesmo com a vistoria da mineradora, a barragem possa se romper e afetá-los.  

“Não é atribuição da Defesa Civil tirar ninguém de lugar, é mais uma orientação do que ordem. Temos a obrigação legal de comunicar as pessoas que estão fora de casa que suas residências estão seguras”, afirmou Marcelo Santana. Ele explica que essas pessoas podem ficar tranquilas, já que o órgão não autorizaria o retorno de pessoas que moram em áreas por onde a mancha de inundação passaria.

Em nota, a mineradora confirmou a autorização de retorno para as casas fora da Zona de Autossalvamento. “A Vale, com apoio da Defesa Civil, fará todos os esclarecimentos necessários a fim de tranquilizar as pessoas que estejam com dúvidas sobre a segurança de suas residências”, finalizou.

*Estagiário sob supervisão da editora Liliane Corrêa


Publicidade