Publicidade

Estado de Minas

Mina que gerou evacuação em Barão de Cocais é sítio histórico do estado

Gongo Soco começou a ser explorada no ciclo do ouro no século 18 e foi operada pela Vale entre 2005 e 2016. Durante a madrugada, alarme soou e moradores tiveram que sair de casa às pressas. Estrutura será avaliada


postado em 08/02/2019 11:12 / atualizado em 08/02/2019 20:56

(foto: Leo Tavares/Divulgação - 22/02/2008 )
(foto: Leo Tavares/Divulgação - 22/02/2008 )


Gongo Soco é um sítio histórico de grande importância para Minas Gerais, em Barão de Cocais, distante 76 quilômetros de Belo Horizonte. A mina, provavelmente uma das mais antigas do estado, viveu períodos de apogeu durante o ciclo do ouro no século 18, a decadência na extração dessa riqueza e uma outra fase de exploração de minério de ferro. Hoje, moradores de comunidades próximas precisaram deixar suas casas por questões de segurança.

Foi operada pela Vale entre 2000 e 2016, com produção que baixou de 6 milhões de toneladas por ano até o seu fechamento. A extração de ferro foi iniciada em 1987 e 11 anos depois houve nova etapa de pesquisas para buscar ouro.

Desde 2001 estava focada na produção de ferro. A Vale adquiriu a reserva do então Grupo Santa Inês/Mineração Socoimex.

O patrimônio e a cultura de Minas também estão sob risco das barragens. Historiadores contam que um comerciante de madeira chamado Manuel da Câmara Bittencourt descobriu ouro na antiga vila de Gongo Soco no início do século 18, quando a mina ficou conhecida.

Os ingleses construíram aldeia, ponte, fundição de pedra e duas igreja(foto: Estado de Minas/12/10/2000)
Os ingleses construíram aldeia, ponte, fundição de pedra e duas igreja (foto: Estado de Minas/12/10/2000)
A reserva foi herdada pelo Barão de Catas Altas, João Batista Ferreira de Sousa Coutinho. No século 18, tanto a vila quanto a mina foram vendidas à companhia inglesa Imperial Brazilian Mining Association.

Os ingleses construíram aldeia, ponte, fundição de pedra e duas igrejas. Era o próprio Barão de Catas Altas quem guardava sob chaves em um grande palácio que ergueu no local.

As ruínas da vila e o palácio foram tombados em 1995 pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iphan).

Nos tempos antigos, a extração foi subterrânea e teve seu auge com a produção de 12.887 quilos de ouro de 19 a 20 quilates, marco da celebridade em que a mina se transformou.

Por que Gongo Soco?


Segundo o Iphan, há mais de uma versão sobre a origem do nome. Uma delas indica que um gongo era tocado quando havia roubo na mina, mas o equipamento não era ouvido.

Outra suposição é que um escravo que veio do Congo ao Brasil foi encontrado cavando, na clandestinidade, um depósito aurífero do lugar. Ele estava na posição de uma galinha choca e esse caso originou a expressão "Soco".
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade