Publicidade

Estado de Minas TRAGÉDIA DE BRUMADINHO

Funcionários que estavam em caminhonete contam como sobreviveram ao tsunami de lama

Em entrevista exclusiva ao Estado de Minas, Elias de Jesus Nunes, de 43 anos, e Sebastião Gomes, de 54, contaram detalhes da fuga após o rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte


postado em 01/02/2019 21:33 / atualizado em 01/02/2019 22:03


Os amigos Elias de Jesus Nunes, de 43 anos, e Sebastião Gomes, de 54, se emocionam ao contar como se salvaram de uma das maiores tragédias do país. Funcionários da Vale, eles escoltavam trabalhadores terceirizados que fariam a sucção de uma fossa no momento em que a barragem da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Grande BH, se rompeu, na sexta-feira, 25 de janeiro. Imagens de câmeras instaladas na mineradora flagraram o momento em que eles entraram em uma caminhonete que acabou alçada pela lama. O veículo ficou acima dos rejeitos, os dois saíram ilesos e ainda salvaram o colega Leandro Cândido, de 37 anos, que estava preso em um trator, com a lama até o pescoço. Nesta sexta-feira, os dois contaram detalhes desse dia, que ficará marcado para sempre na memória dos dois e de todos os brasileiros.

Elias de Jesus Nunes e Sebastião Gomes conseguiram fugir juntos da lama que desceu da barragem que se rompeu (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press. )
Elias de Jesus Nunes e Sebastião Gomes conseguiram fugir juntos da lama que desceu da barragem que se rompeu (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press. )


Sentados na casa de Elias, os dois reviveram os momentos de desespero e angústia. “Nós estávamos acompanhando uma empresa terceirizada de prestação de serviço. Na hora do rompimento, quando a gente ouviu o barulho, eu pensei que seria um descarrilamento de vagão, mas quando cheguei para olhar já vi que era o rompimento da barragem. Falei para o Sebastião para gente correr e entrar na caminhonete para tentar sair do local”, contou Elias.


“Eu falei para o Elias e com seu Antônio que parecia a explosão do pneu de um caminhão de grande porte na estrada. O barulho foi muito forte. Depois que eu percebi que o barulho era mais forte ainda. Mas deu o segundo estrondo e o Elias falou: 'Não, Sebastião. Não é, não. Isso é o vagão que descarrilou. Parece, né?'. Nós olhamos e demos de cara com a lama, já. O Elias já correu para a caminhonete. Eu não corri para a caminhonete. Eu saí correndo para o outro lado. Ai, o Elias gritou: 'Corre, Sebastião, vem para a caminhonete, senão você vai morrer'. Eu corri para a caminhonete”, disse Sebastião.



Quando foram atingidos pela lama, eles se apegaram à fé. “Daí, foi só a gente fechar a porta e o Elias, na hora, foi um grande herói na direção. Não é porque ele fez o feito da caminhonete, porque não tinha como fazer mais nada. Mas, pela presteza de ir para um lado, para o outro. Depois, soltou a direção e disse: Sebastião, acabou. É só entregar para Deus agora. Começamos a rezar o Pai Nosso. Foi quando a caminhonete pairou, naquele momento, para cima”,  lembrou Sebastião.

“No caso, eu parei a caminhonete e falei: 'Agora vamos só orar e pedir a Deus para tirar a gente daqui'. Foi quando a lama veio e atingiu, primeiramente, o meu lado, no sentido da barragem. Depois atingiu o lado do Sebastião e jogou (a caminhonete) para cima. E nós, então, paramos e saímos de dentro da caminhonete”, completou Elias.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade