Publicidade

Estado de Minas

Vídeo do rompimento: 'Não divulgamos as imagens para não causar pânico', diz Bombeiros

De acordo com o tenente Pedro Aihara, prota-voz do Corpo de Bombeiros, as imagens do rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão, divulgadas nesta sexta-feira, já tinham sido entregues às autoridades de segurança no dia seguinte a tragédia


postado em 01/02/2019 19:26 / atualizado em 01/02/2019 19:50


As autoridades de segurança já estavam com as imagens do rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, desde o dia seguinte a tragédia. Porém, elas não foram divulgadas pelas corporações para evitar pânico, pois havia ainda um reservatório com água que corria o risco de romper.

De acordo com Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros, a Vale fez a entrega das imagens logo no sábado, um dia depois do rompimento. “As imagens tiveram bastante repercussão. O corpo técnico já tinha recebido os vídeos no primeiro dia de operação. Não fizemos a divulgação, pois havia o monitoramento da outra barragem e tinha o risco. Poderia causar pânico generalizado a população”, afirmou.

Segundo o tenente Pedro Aihara, levantamentos preliminares apontam que a lama chegou entre 70 a 80 quilômetros por hora em alguns locais. “A estimativa muda a cada ponto, porque no momento que acontece o rompimento, aquela primeira onda tem uma maior velocidade, quando ela passa por alguns elementos, como árvores, concreto, esses elementos que vão retirando a velocidade”, explicou.

As imagens foram importantes, segundo Aihara, para as análises preliminares da tragédia. “Nos primeiros dias as imagens serviram para fazer estimativas,e identificar alguns elementos. Para entender o comportamento da lama, a estimativa, e qual a dimensão de impacto”, completou.  

As imagens mostram a força em que o mar de lama desceu.  Foi possível averiguar que a velocidade da lama e dos rejeitos da barragem era de 114km/h no começo do trajeto. A avalanche atinge uma pequena lagoa em 13 segundos, percorrendo 413 metros dentro do pátio da empresa. Em seguida, a velocidade se reduz em função de barreiras como árvores e construções.

Os vídeos mostram o momento exato do rompimento da barragem I, da ma Mina Córrego do Feijão,  e registra o caminho inicial do mar de lama sobre árvores e construções da Vale. Além disso, mostram a tentativa de fuga de pessoas da área atingida em um carro e uma caminhonete. Os veículos, entretanto, desaparecem.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade