Publicidade

Estado de Minas

Ministro diz que Bolsonaro nunca quis afrouxar licenças ambientais

"Nunca houve um projeto de afrouxamento da fiscalização", disse Ricardo Salles neste sábado sobre a tragédia em Brumadinho


postado em 26/01/2019 14:05 / atualizado em 26/01/2019 15:52

Ver galeria . 26 Fotos  Tragédia de Brumadinho - Rompimento de rejeitos da Barragem 1 da Mina Feijão (Córrego Feijão)Gladyston Rodrigues/EM/D.A press
Tragédia de Brumadinho - Rompimento de rejeitos da Barragem 1 da Mina Feijão (Córrego Feijão) (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A press )


O ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles afirmou neste sábado (26) que o presidente Jair Bolsonaro nunca pretendeu tornar menos rígida a legislação ambiental. Após sobrevoar Brumadinho na região metropolitana de BH, onde uma barragem da Vale se rompeu, ele disse que o que é preciso é ter foco na fiscalização. 

"Nunca houve um projeto de afrouxamento da fiscalização", disse. Segundo o ministro, a situação está sendo monitorada por diversos órgãos. Assim como o Zema Sales afirmou ser necessária uma revisão da legislação ambiental, tirando questões simples e aprofundando as mais complexas.

(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)


Durante a campanha, Bolsonaro criticou a dificuldade de as empresas obterem licenciamento no Brasil e disse que a burocracia emperra os empreendimentos. Em outras ocasiões, ele disse que a dificuldade de obter as licenças atrapalha as obras. Bolsonaro deixou Minas Gerais sem dar entrevista.

O ministro Ricardo Salles foi questionado sobre uma condenação por improbidade administrativa em primeira instância que sofreu sob acusação de favorecer mineradoras. "Não tem nada a ver uma coisa com a outra", respondeu, voltando à temática das vítimas de Brumadinho. 

O ministro do Desenvolvimento Gustavo Canuto, que também participou da comitiva presidencial que visitou Brumadinho,  é uma tragédia humana e que o importante é focar no resgate e salvamento dessas vítimas.

Ver galeria . 26 Fotos  Tragédia de Brumadinho - Rompimento de rejeitos da Barragem 1 da Mina Feijão (Córrego Feijão)Gladyston Rodrigues/EM/D.A press
Tragédia de Brumadinho - Rompimento de rejeitos da Barragem 1 da Mina Feijão (Córrego Feijão) (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A press )


O ministro das Minas e Energia Beto Albuquerque disse que o governo federal está trabalhando na apuração dos fatos e contribuindo com as autoridades para mitigar o acidente e impedir que coisas semelhantes aconteçam.

O presidente Jair Bolsonaro sobrevoou a área atingida pela Barragem do Feijão junto do governador Romeu Zema, mas retornou para Brasília sem falar com a imprensa.

(foto: Arte EM)
(foto: Arte EM)


Publicidade