Publicidade

Estado de Minas

Brumadinho: Cães e tecnologia de Israel ajudarão bombeiros na busca por sobreviventes

Comandante da corporação disse que há esperança de encontrar mais vítimas vivas


postado em 26/01/2019 13:32 / atualizado em 26/01/2019 15:39

Ver galeria . 12 Fotos Grupo percorre área onde ficava pousada Nova Estância, que fica próxima à barragem da Vale e foi destruída com a passagem dos rejeitos de minérioMateus Parreiras/EM
Grupo percorre área onde ficava pousada Nova Estância, que fica próxima à barragem da Vale e foi destruída com a passagem dos rejeitos de minério (foto: Mateus Parreiras/EM )


O comandante geral do corpo de bombeiros de Minas Gerais, coronel Edgar Estevão, afirmou neste sábado que ainda há possibilidade de resgatar pessoas vivas atingidas pelo rompimento da Barragem do Feijão, em Brumadinho.

Segundo ele, a busca vai se estender por semanas. A partir de segunda-feira, cães farejadores começar um auxiliar os bombeiros. O governo de Israel também disponibilizou equipamentos de imagens para auxiliar nas buscas eles tem extensão de até 4 metros de profundidade. "Vamos buscar até o último momento. Essas buscas vão se prolongar por semanas até dar notícia a todas as famílias", disse.

O governo federal ofereceu ajuda, assim como outros estados. Por enquanto há 19 desalojados que estão assistidos pela Vale, segundo a Defesa Civil(foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
O governo federal ofereceu ajuda, assim como outros estados. Por enquanto há 19 desalojados que estão assistidos pela Vale, segundo a Defesa Civil (foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)


"Existe esperança de encontrarmos vítimas vivas", afirmou o coronel, contrariando a expectativa do governador Romeu Zema. 

De acordo com o comandante, as vítimas vivas podem estar em quatro pontos: um ônibus (nele não foram encontrados sobreviventes), uma locomotiva, um prédio e na comunidade Parque Cachoeira.

O Coronel Borges, da Defesa Civil e chefe do gabinete Militar do governador, afirmou que esse desastre corresponde a 20% do que ocorreu em Fundão no município de Mariana em 2015. Isso em termos de abrangência por causa do volume da barragem. "Mas as perdas humanas pode superar muito", disse. Segundo o coronel, a prioridade no momento são as buscas.

O governo federal ofereceu ajuda, assim como outros estados. Por enquanto há 19 desalojados que estão assistidos pela Vale, segundo a Defesa Civil.

(foto: Arte EM)
(foto: Arte EM)






Publicidade