Publicidade

Estado de Minas

Celebrando 121 anos, Prédio Rosa da Praça da Liberdade abre varanda para visitantes

Na data em que a capital e o prédio que abriga o Museu das Minas e do Metal completam 121 anos, a instituição inaugura mais três espaços e promete surpresa aos visitantes


postado em 12/12/2018 06:00 / atualizado em 12/12/2018 08:16

Inaugurado juntamente com a capital, há exatos 121 anos, o chamado Prédio Rosa da Praça da Liberdade, que abriga o MM Gerdau - Museu das Minas e do Metal, abre três novos espaços: Nova Sala do Nióbio, a Janela Aços Especiais e o Espaço do Aço. E hoje permitirá acesso à varanda do Salão Nobre(foto: Alexandre Guzanshe/EM/DA Press)
Inaugurado juntamente com a capital, há exatos 121 anos, o chamado Prédio Rosa da Praça da Liberdade, que abriga o MM Gerdau - Museu das Minas e do Metal, abre três novos espaços: Nova Sala do Nióbio, a Janela Aços Especiais e o Espaço do Aço. E hoje permitirá acesso à varanda do Salão Nobre (foto: Alexandre Guzanshe/EM/DA Press)


Belo Horizonte chega hoje aos 121 anos, e uma construção da Praça da Liberdade, na Região Centro-Sul da capital, comemora a mesma idade, com novidades, três atrativos e uma surpresa para moradores e visitantes. Chamado de Prédio Rosa e abrigando o MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal, a construção em estilo eclético foi inaugurada em 12 de dezembro de 1897 e até o fim do mês vai fechar às 21h (entrada até as 20h20), informa a gestora da instituição, a geóloga Márcia Guimarães. Especialmente hoje, quem for ao local poderá contemplar a praça recém-reabilitada, com a iluminação natalina, da varanda do Salão Nobre. “As janelas daqui ficam sempre fechadas, para a luz não incidir sobre as pinturas parietais (nas paredes), mas aniversário é um dia especial”, acrescentou.


Quatro amigas – três do Piauí e uma da Colômbia – aproveitaram a oportunidade no momento em que a gestora mostrava à equipe do EM a varanda e curtiram por uns minutos o espaço aberto do primeiro andar. “Não sabia que amanhã (hoje) é o aniversário também deste prédio”, disse a odontóloga Larissa Macedo, de 22 anos, natural de Teresina e residente em BH desde criança. Olhando o teto com pinturas e a vista da Praça da Liberdade, a estudante de medicina Maria Luíza Paz contou que vai levar boas lembranças para o estado natal. “É realmente um prédio edificante!”, afirmou, prestando atenção em todos os detalhes do Prédio Rosa, que integra o Circuito Liberdade e fica na área tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG).

Fachada da construção em estilo neoclássico conhecida como Prédio Rosa, onde está o MM Gerdau(foto: Alexandre Guzanshe/EM/DA Press)
Fachada da construção em estilo neoclássico conhecida como Prédio Rosa, onde está o MM Gerdau (foto: Alexandre Guzanshe/EM/DA Press)


Fazendo intercâmbio na capital e moradora de Bogotá, a colombiana Maria Fernanda Gonzalez também gostou de tudo o que viu no museu, enquanto Anny Karoline da Silva Pereira, de 18, moradora de Teresina, explicou que, nesta viagem em que se hospedam na casa de Larissa, foi o primeiro em que entraram. Com 18 áreas expositivas e 45 atrações, a instituição aberta em 22 de junho de 2010 inaugura hoje as mostras Nova Sala do Nióbio, em parceria com a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), a Janela Aços Especiais e o Espaço do Aço. “Quem vier aqui hoje vai ter uma surpresa saborosa, mas não vou contar, não”, brincou a gestora.


Vale lembrar que nas salas “das Minas” e “do Meio Ambiente” parte das janelas também ficará aberta na data para facilitar a contemplação das pinturas ao longo do dia em luz natural.

 Sala do Nióbio, uma das atrações que serão inauguradas hoje(foto: Alexandre Guzanshe/EM/DA Press)
Sala do Nióbio, uma das atrações que serão inauguradas hoje (foto: Alexandre Guzanshe/EM/DA Press)
ESPAÇOS Com projeto do arquiteto José de Magalhães, o mesmo do Palácio da Liberdade, e pinturas do alemão Frederico Steckel (1834-1921), que também trabalhou na sede do governo estadual, o Prédio Rosa também exibe uma escada suntuosa, que leva do térreo ao primeiro andar para contar a história da mineração e da metalurgia em Minas. Na Sala do Nióbio, Márcia faz questão de apontar as pinturas do fim do século 19 nos tons verde e marrom, sobre as quais foram retiradas várias camadas de tinta ao longo da restauração iniciada em 2008. “Este é o ambiente que mais traduz a história deste prédio”, afirmou a gestora, para, em seguida, na exposição interativa, mostrar a história do metal, com estudos, pesquisas e personagens, incluindo o mineiro, o professor Djalma Guimarães (1894-1973) até o mundo contemporâneo, com destaque para Araxá, na Região do Alto Paranaíba.


A historiadora do MM Gerdau, Suely Monteiro, explica que o prédio, da inauguração a 1930, sediou a Secretaria da Interior, que, na época, englobava a área de educação. “Depois, foi instituída, de forma inovadora, a Secretaria de Educação e ela passou a ocupar o Prédio Rosa até o início da década passada”, contou Suely.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade