Publicidade

Estado de Minas

Sistema fará alerta de cheias em cidades às margens do Rio das Velhas

Prefeituras e a Defesa Civil dos municípios serão avisados sobre a alta nos níveis do rio. Com isso, poderão antecipar as ações de prevenção


postado em 29/11/2018 06:00 / atualizado em 29/11/2018 08:01

Trecho do rio em Santo Hipólito, cidade onde o sistema será testado(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 19/4/18)
Trecho do rio em Santo Hipólito, cidade onde o sistema será testado (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 19/4/18)


O sono de moradores que vivem nas proximidades de rios não é o mesmo no período chuvoso. Quando ocorrem temporais, a vigilância deve ser constante, já que as águas podem subir rapidamente e provocar prejuízos, além de colocar em risco a vida da população. As famílias que moram em cidades ao longo do Rio das Velhas, um dos principais de Minas Gerais, vão contar com uma ajuda extra. O Serviço Geológico do Brasil (CPRM) dará início, em dezembro,  à operação de um sistema de alerta hidrológico no manancial. Prefeituras e a Defesa Civil dos municípios serão avisados sobre a alta nos níveis do rio. Com isso, poderão antecipar as ações de prevenção.

Os serviços terão início em 2 de dezembro. O sistema vai monitorar os níveis do Rio das Velhas por meio de dados coletados nas estações telemétricas instaladas na bacia, tanto na calha principal quanto em alguns afluentes. “Fazemos as medições nas estações hidrométricas das principais nascentes. Como temos os dados, entendemos quehá um apelo social grande. Já fazemos esse mesmo trabalho de alertas em Minas Gerais no Rio Doce, e agora passamos para o Rio das Velhas”, explicou a engenheira hidróloga Maria Letícia Rabelo Alves, responsável pelo SAH-Velha.

As primeiras cidades que vão começar a receber os dados são Jequitibá e Santo Hipólito, na Região Central de Minas Gerais. As cidades estão localizadas no médio e baixo curso do Rio das Velhas. A população que será beneficiada é de aproximadamente 8,4 mil pessoas. A expectativa é de expandir para outras cidades, inclusive, localizadas na Região Metropolitana de Belo Horizonte. “Estamos iniciando este trabalho em duas cidades pequenas, com uma população reduzida. Futuramente vamos expandir para outras, como Santa Luzia e Pinhões. Se verificarmos que há tempo hábil suficiente para previsão, pretendemos fazer Sabará e Raposos, que estão nas calhas do Rio das Velhas mais próximas da cabeceira. A cheia é uma onda muito rápida, então vamos avaliar”, afirmou Maria Letícia.

Os alertas funcionarão da seguinte forma: serão feitos boletins informativos durante todo o período chuvoso – entre dezembro e março. Os avisos serão encaminhados para as prefeituras, Defesa Civil Municipal, além da Defesa Civil Estadual. Se for detectada uma possibilidade real de enchente e extravasamento, um alerta especial será emitido. Os dados dos níveis dos rios e os volumes de chuva também são disponibilizados em tempo real na plataforma Sace-CPRM (Sistema de Alerta de Eventos Críticos) no site do CPRM.

Para Maria Letícia, os alertas serão importantes para evitar tragédias durante as fortes chuvas. “Nessas cidades às margens do Rio das Velhas houve várias cheias, algumas muito severas, que atingiram a bacia como um todo. Todas as cidades tiveram problemas com essas cheias. A população já demandava esse sistema de alerta”, concluiu.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade