Publicidade

Estado de Minas

Operação Lei Seca flagra 25 motoristas alcoolizados em Minas Gerais

Foram abordados 1.966 condutores em todas as regiões do estado; sete pessoas foram conduzidas à prisão


postado em 12/11/2018 15:16 / atualizado em 12/11/2018 15:49

Em Belo Horizonte, foram cinco pontos da campanha, onde 110 pessoas foram abordadas(foto: Omar Freire/ Imprensa MG)
Em Belo Horizonte, foram cinco pontos da campanha, onde 110 pessoas foram abordadas (foto: Omar Freire/ Imprensa MG)
Uma ação da campanha "Sou pela Vida. Dirijo sem Bebida" terminou com 1.966 motoristas abordados e sete flagrados cometendo crime de trânsito – quando o teste do bafômetro acusa valores superiores a 0,33 miligramas de álcool por litro de ar expelido. A operação fechou o cerco em 71 municípios, de forma simultânea, na última sexta-feira. A ação aconteceu em ruas, avenidas e rodovias da capital e cidades do interior. As informações foram repassadas para a imprensa na tarde desta-segunda feira.

Desses, foram registradas 18 infrações – quando o teor alcoólico registrado no etilômetro não ultrapassa os 0,33mg/l. Neste caso, os condutores tiveram a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) recolhida e receberam multas no valor de R$ 2.934,70. Outros 60 condutores foram flagrados dirigindo sem a CNH.

Em Belo Horizonte, foram cinco pontos da campanha, onde 110 pessoas foram abordadas. Delas, uma estava inabilitada, cinco foram enquadradas por infração de trânsito e uma foi presa por crime de trânsito.

 Coordenadora de Ações de Trânsito da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), Christianne Aguiar destaca a importância das ações no combate à alcoolemia. “Com o passar do tempo, as blitze costumam provocar mudanças no comportamento dos motoristas, principalmente nas cidades do interior, que até então não tinham esse histórico”, afirma por meio da assessoria de imprensa.

A CAMPANHA "Sou pela Vida. Dirijo sem Bebida" foi implantada pelo Governo de Minas Gerais com foco principal na fiscalização e combate à alcoolemia. Durante as blitze, são fiscalizadas também outras questões que podem contribuir com a segurança das vias, entre elas a habilitação dos condutores e a manutenção dos veículos.

As abordagens, que têm a coordenação da Sesp, contaram ainda com a presença de profissionais da Polícia Militar, Polícia Militar Rodoviária, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Civil, BHTrans e Guarda Municipal (no caso das blitze da capital). A Secretaria de Administração Prisional (Seap) também esteve presente com apoio para a condução de motoristas que cometeram crime de trânsito e precisaram ser conduzidos à prisão.


Publicidade