Publicidade

Estado de Minas

Unidades de conservação do Quadrilátero Ferrífero devem ser integradas

Plano promove a integração de diferentes unidades de preservação ambiental no Quadrilátero Ferrífero, área de alta vulnerabilidade por suas riquezas. Iniciativa favorece proteção de espécies


postado em 12/11/2018 06:00 / atualizado em 12/11/2018 07:42

Serra do Curral, que emoldura Belo Horizonte e é tombada por órgão federal, é uma das áreas que integram o conjunto de conservação (foto: Jair Amaral/EM/DA Press - 18/7/18)
Serra do Curral, que emoldura Belo Horizonte e é tombada por órgão federal, é uma das áreas que integram o conjunto de conservação (foto: Jair Amaral/EM/DA Press - 18/7/18)


Conhecido pela pressão minerária, devido à grande riqueza, representada sobretudo por jazidas de minério de ferro, o Quadrilátero Ferrífero deverá formar um mosaico de unidades de conservação que pode garantir a integridade de sua vida selvagem, dos biomas e da água que abastece a região mais populosa de Minas Gerais. O lançamento desse plano ocorre amanhã, na sede do Ibama, em Belo Horizonte, com a presença de representantes do órgão federal, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), de prefeituras e de administrações de unidades de conservação. Serão mais de 30 unidades de conservação envolvidas nesse mosaico, entre parques, matas e reservas federais, estaduais, municipais e também particulares. Uma ação que permitirá ações integradas e uma grande cobertura para essa área, que sofre muitos impactos e depende de seus recursos naturais e humanos.

Um mosaico é um conjunto de áreas protegidas, justapostas ou sobrepostas, onde há ações conjuntas que devem ser fortalecidas e complementadas. O que se pretende estabelecer no Quadrilátero Ferrífero é o último a integrar a primeira fase de formação dessas junções de unidades de conservação, para abranger a área de 3,7 milhões de hectares, compreendida entre Ouro Branco (Região Central) e Diamantina (Vale do Rio Jequitinhonha), reconhecida em 2005 pela Unesco como Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço. Os mosaicos do Alto Jequitinhonha à Serra do Cabral (Norte de Minas ao Jequitinhonha) e da Serra do Cipó (Região Central) já haviam sido formados anteriormente, restando, agora, o reconhecimento do Quadrilátero Ferrífero para recobrir completamente a área de Reserva da Biosfera.

De acordo com o professor do departamento de biologia da PUC-Minas Miguel Ângelo Andrade, coordenador do Comitê Estadual da Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço, pela grande abrangência da área e identidade regional das unidades, a formação dos mosaicos permite processos de mobilização, dando sentido à cooperação para o desenvolvimento de bases conservacionais. “Cada região tem a sua identidade e seus atributos, como as bacias hidrográficas, os aspectos biogeográficos e de governança. Regionalizar essa diversidade é muito importante”, considera o professor.

Como benefícios diretos, Miguel Ângelo aponta a possibilidade de a região assumir sua vocação para a conservação, uma forma mais estreita e coordenada de cooperação entre as unidades e a institucionalização de um instrumento de governança comum. “Essa gestão conjunta, em um conselho, permite o apoio e o planejamento da prevenção e combate a incêndios florestais. Permite, também a identificação e a implementação de corredores ecológicos que possibilita a ligação de uma área natural a outra, dentro do mosaico de áreas protegidas, permitindo mobilidade entre as espécies. Por exemplo: Uma onça que sai da área natural que habita e encontra uma zona urbana não consegue mais sair. Pelo corredor natural, ela pode encontrar outras populações e aumentar a viabilidade genética da espécie. Um dos fatores que atualmente mais levam à extinção é a fragmentação dos hábitats”, observa o coordenador do comitê estadual.

OURO LÍQUIDO Outra vantagem dessas áreas naturais preservadas, especialmente notável na região do Quadrilátero Ferrífero, é a capacidade de armazenar água e amenizar o clima dos centros populacionais do entorno. “Há ganhos de provisão de recursos hídricos essenciais ao abastecimento e ao fornecimento de água de qualidade, bem como impactos que amenizam o clima. Sem esquecer que são espaços de educação ambiental e para a contemplação do meio ambiente para as populações”, observa o professor Miguel Andrade.

A próxima fase de reconhecimento do Quadrilátero Ferrífero como Reserva da Biosfera ainda está sob análise técnica da Unesco. Segundo Andrade, o próximo trecho contemplado seguiria pelo Norte de Minas e vale do Jequitinhonha, a partir de Diamantina, até a porção baiana da formação rochosa. “O geossistema do Quadrilátero Ferrífero se destaca por contar com muitas espécies endêmicas e ameaçadas de extinção, uma área prioritária para a conservação da biodiversidade de Minas Gerais”, disse.

 

Algumas áreas que serão integradas

 

» Serra da Piedade

(foto: Marcos Vieira/Em/DA Press - 30/03/2018)
(foto: Marcos Vieira/Em/DA Press - 30/03/2018)

Formação rochosa natural, que se ergue a 1.746 metros de altitude nas proximidades de Caeté, na Região Central de Minas Gerais. No alto da serra fica o Santuário Basílica de Nossa Senhora da Piedade, um dos destinos religiosos mais procurados por fiéis no Brasil

 

» Serra do Curral

(foto: Beto Novaes/EM/DA Press - 10/7/18)
(foto: Beto Novaes/EM/DA Press - 10/7/18)

Tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a formação montanhosa é um dos símbolos de Belo Horizonte, mas sua travessia está interrompida por motivos de segurança e por deter uma espécie de cacto endêmico e ameaçado de extinção

 

» Serra do Rola-Moça

(foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press - 10/8/17)
(foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press - 10/8/17)

Fica entre os municípios de Belo Horizonte, Brumadinho, Nova Lima e Ibirité e apresenta inúmeras nascentes da Bacia Hidrográfica do Rio das Velhas, abastecendo parte da Grande BH. É um refúgio natural e conta com muitas espécies ameaçadas, como a onça-parda, jaguatirica, lobo-guará, gato-do-mato, macuco e veado-campeiro

 

» Parque Nacional da Serra do Gandarela

(foto: Beto Magalhães/EM/DA Press - 11/01/2010)
(foto: Beto Magalhães/EM/DA Press - 11/01/2010)

Um dos mais contínuos fragmentos de mata atlântica de Minas Gerais, a serra também é tida como uma importante reserva hídrica e de recarga de águas subterrâneas do estado. Muito procurada por suas cachoeiras e atividades ao ar livre como a observação de aves

 

» Pico do Itacolomi

(foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press - 7/2/18)
(foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press - 7/2/18)

Uma das formações de destaque da região de Ouro Preto e de Mariana, essa serra reserva a história dos bandeirantes que desbravaram Minas Gerais e a história das plantações de chá no estado. O pico, de 1.772 metros de altitude, é muito procurado por turistas, mas há históricos de invasões e depredações


Publicidade