Publicidade

Estado de Minas

BH pode ter mais operações contra receptação de celulares em shoppings

Na segunda batida da semana em shoppings populares, quase mil aparelhos de telefonia e outros eletrônicos foram apreendidos por ter sido furtados ou por falta de nota fiscal


postado em 07/11/2018 06:00 / atualizado em 07/11/2018 10:14

(foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
(foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
 

As polícias Militar e Civil, Receita Federal, Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e Prefeitura de Belo Horizonte fecharam o cerco aos receptadores de celulares roubados que comercializam produtos em boxes de shoppings populares da capital. Após uma ação no Shopping Xavantes na segunda-feira, a operação foi estendida ao Shopping Oiapoque ontem. Nessa segunda fase, foram apreendidos quase mil celulares e outros produtos eletrônicos com suspeita de terem sido furtados ou sem comprovação de origem, a maior operação do tipo na história da capital. Somente ontem, 12 pessoas foram presas, somando-se a outras 17 detidas no dia anterior.

“Muitos desses celulares furtados e roubados acabam tendo como destinação shoppings populares para comercialização não só do produto em si, mas também de peças. Como eles não conseguem fazer o retorno para uso na comunicação de muitos aparelhos, o caminho que têm é exatamente a venda de peças desse produto”, informou a procuradora Cássia Gontijo, do MPMG.

Ao final da ação de ontem, um balanço da Polícia Militar registrava o cumprimento de 31 mandados de busca e apreensão, sendo 22 em boxes do shopping popular Oiapoque e nove no Xavantes. A ação resultou no recolhimento de 23 celulares com restrição no site da Anatel/ Reds, além de 145 invólucros totalmente carregados com produtos em desacordo com a legislação fazendária, sendo 743 aparelhos de telefonia móvel, 132 tablets e outros produtos. Onze pessoas foram presas por receptação e uma mulher de 18 anos terminou detida com 28 tabletes com cerca de 30kg no total contendo substância semelhante a maconha, no Terminal Rodoviário. Outro fato que se destaca foi a apreensão e remoção de dois veículos que estavam em um estacionamento na Rua Guaicurus, 624, nos quais foram encontrados vários celulares com restrição.

Desde segunda-feira foram cumpridos 69 mandados de busca e apreensão em boxes dos shoppings populares. Durante o primeiro dia de ação, 17 pessoas foram detidas, 16 ligadas diretamente à operação e uma com um mandado de prisão em aberto, localizada nas imediações dos shoppings populares.

“Os índices de criminalidade em Minas Gerais estão em franca decadência. Temos hoje uma redução, em média de 32%, de todos os crimes que compõem esse índice. Todavia, temos verificado, tanto por meio da Polícia Militar quanto do Ministério Público e Polícia Civil, a persistência da prática de crimes de roubos e furtos de celulares na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Diante disso, foi planejada essa operação intrainstitucional para quebrar essa cadeia de receptação de celulares em Belo Horizonte”, detalhou o tenente-coronel Frederico Ferreira, comandante do Batalhão de Polícia de Choque.

Segundo ele, tudo faz parte de uma cadeia criminosa. “A partir do momento em que existe uma demanda social pela compra de celulares ou de peças a menores preço haverá sempre pessoas dispostas a furtar e roubar aparelhos. Habitualmente, esses smartphones são vendidos a preços tabelados de R$ 150 para esses receptadores. Constatamos também que essas pessoas, responsáveis pelos crimes, convertem essa moeda em droga para consumo. Então, é uma cadeia criminosa que começa com roubo, receptação e o consumo de drogas”, detalhou o militar.

Policiais enchem caminhão com mercadorias apreendidas ontem, quando 12 pessoas foram presas. Na segunda-feira, as detenções chegaram a 17(foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
Policiais enchem caminhão com mercadorias apreendidas ontem, quando 12 pessoas foram presas. Na segunda-feira, as detenções chegaram a 17 (foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
“É a apreensão de smartphones e telefones celulares na cidade de Belo Horizonte mais expressiva de todos os tempos”, afirma o tenente-coronel Micael Henrique, comandante do 1º Batalhão da Polícia Militar. Os celulares apontados como resultado de furto ou roubo foram encaminhados a delegacias. Os demais foram recolhidos pela Receita Federal porque não tinham comprovação de origem. Quem teve um aparelho roubado ou furtado e quiser checar se ele está entre os recolhidos nas Centrais de Flagrantes da Polícia Civil 1 e 2, que ficam na Região Leste de Belo Horizonte, deve apresentar o boletim de ocorrência e documentos. “Com o registro do furto do celular, isso colabora muito no momento da localização para que a gente encontre também o real proprietário do aparelho”, orientou.

Na manhã de ontem, equipes da PM e da Receita Federal puderam ser vistas enchendo caminhões com os materiais recolhidos nos boxes. “Vários outros produtos foram apreendidos, a maioria relacionada a celulares. São baterias, cabos, capas e outros acessórios. Mas também tivemos ocorrência de cigarros, de relógios e outras coisas. Tudo isso nas duas operações que a gente já efetuou”, explicou o chefe da Divisão de Repressão aos Crimes de Contrabando e Descaminho, Leonardo Martins, da Receita Federal. Parte do material apreendido não tinha comprovação de regularidade com o fisco. Os donos de boxes que levarem a nota fiscal à Receita Federal terão os produtos devolvidos. Caso isso não ocorra serão representados ao Ministério Público, que vai dar andamento ao caso na esfera penal em relação ao crime de descaminho.

Novas ações à vista


As autoridades não descartam realizar ações em outros shoppings ou locais onde seja constatada receptação de celulares ou outros atos ilícitos. O tenente-coronel Frederico fez um alerta aos responsáveis pelos estabelecimentos e prometeu tolerância zero para esse tipo de crime. “Esse recado vai para a gerência dos shoppings populares e para aqueles comerciantes de boa-fé. Solicitamos aos senhores que não coadunem com qualquer prática criminosa nos recintos comerciais onde vocês atuam. A sociedade mineira não tem que passar por esse momento de instabilidade na segurança que esses perpetradores estão promovendo. A Polícia Militar e o Ministério Público, com apoio da Receita Federal, Polícia Civil e também a Prefeitura de Belo Horizonte não vai se furtar em momento algum de fazer frente a essa modalidade criminosa”, enfatizou.

Leonardo Martins ressaltou ainda que os responsáveis pelos shoppings podem, eventualmente, ser penalizados. Isso ocorrerá, informou, se quem estiver à frente dos boxes onde a mercadoria foi encontrada não for realmente o locatário do espaço, não pagar o aluguel. 


Consultados pela reportagem, o Shopping Xavantes reafirmou nota emitida na segunda-feira na qual informa que “os lojistas estão com contratos de locação em dia, sendo de responsabilidade dos mesmos as mercadorias comercializadas”. O texto diz ainda que “a fiscalização dos produtos só pode ser realizada pela polícia” e que o estabelecimento apoia e colabora com as operações, mesmo posicionamento do Shopping Oiapoque.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade