Publicidade

Estado de Minas

Hospital João XXIII recebe mais uma mulher ferida em explosão em Itapecerica

Unidade de saúde que é referência para atendimento de queimados já tinha atendido três vítimas no fim da tarde de ontem, totalizando agora quatro pacientes. Hospital ainda pode receber mais quatro mulheres


postado em 21/10/2018 11:33 / atualizado em 21/10/2018 11:44

João XXIII já recebeu quatro mulheres e pode receber mais quatro(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
João XXIII já recebeu quatro mulheres e pode receber mais quatro (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Mais uma mulher ferida em uma explosão causada por manipulação de álcool líquido próximo a uma churrasqueira durante um churrasco em Itapecerica, na Região Centro-Oeste do estado, deu entrada no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, em Belo Horizonte. Com a chegada de mais uma paciente, o hospital tem agora quatro vítimas do acidente internadas na unidade de queimados.

De acordo com a Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), a unidade está de prontidão e pode receber mais quatro pacientes. Nesse caso, como o Centro de Tratamento Intensivo (CTI) de queimados já está cheio, outros pacientes com queimaduras e que estão menos graves podem ser transferidos para a Maternidade Odete Valadares. Ainda não há uma confirmação da chegada das outras quatro mulheres.

Segundo o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) Centro-Oeste, 10 mulheres ficaram feridas durante um churrasco em uma casa da cidade depois que houve uma explosão causada pelo contato com álcool com o fogo da churrasqueira. Elas foram levadas inicialmente para atendimento na própria cidade de Itapecerica, mas depois foram distribuídas de acordo com a disponibilidade das unidades de saúde de outras cidades.

O Corpo de Bombeiros disponibilizou duas aeronaves para transporte das vítimas em situação mais complicada para Belo Horizonte. Inicialmente, três mulheres foram transferidas, mas no meio da noite uma quarta vítima chegou ao hospital. Em nota, a Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig) que o estado de saúde das mulheres era menos grave do que foi informado inicialmente, e por isso a recuperação deve ser mais tranquila.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade