Publicidade

Estado de Minas

Limpeza da Lagoa da Pampulha será retomada após sete meses

Um novo contrato com o consórcio Pampulha Viva foi assinado e o extrato foi publicado nesta terça-feira no Diário Oficial do Município (DOM)


postado em 02/10/2018 15:24 / atualizado em 02/10/2018 21:35

Ver galeria . 9 Fotos Ramon Lisboa/EM/D.A press
(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A press )

Garrafas, plásticos, lixo e uma nata verde, tomaram conta da Lagoa da Pampulha. Desde março, o serviço de limpeza da água de um dos cartões-postais de Belo Horizonte está suspenso. Mas, as operações devem voltar nos próximos dias. Um novo contrato com o consórcio Pampulha Viva foi assinado e o extrato foi publicado nesta terça-feira no Diário Oficial do Município (DOM). O serviço será realizado durante 12 meses corridos. Os gastos serão de, no máximo, R$ 16 milhões.

O contrato de limpeza da água da Lagoa da Pampulha se encerrou em março deste ano, depois de dois anos. Em pouco tempo, o mau cheiro e uma nata verde tomaram conta do lago. De acordo com a Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura, o contrato foi assinado e os trabalhos devem ter início nos próximos dias. Nesta terça-feira, foi dado início a fase de preparação, “pois a lagoa se encontra com um grande volume de água devido as chuvas dos últimos dias”, informou a pasta.  

Nos próximos 12 meses, serão aplicados dois remediadores na lagoa. “Um deles tem a função de degradar o excesso de matéria orgânica (Demanda Bioquímica de Oxigênio - DBO) e reduzir a presença de coliformes fecais (E. coli). O outro remediador é capaz de promover a redução do fósforo e controlar a floração de algas”, explicou a Secretaria.
Lixo tomou conta da lagoa após serviços serem paralisados em março deste ano(foto: Paulo Filgueiras /EM/D.A.Press)
Lixo tomou conta da lagoa após serviços serem paralisados em março deste ano (foto: Paulo Filgueiras /EM/D.A.Press)

A pasta ressalta que, devido ao trabalho anterior, a limpeza deve acontecer de uma forma mais rápida. “Cabe ressaltar que o grande diferencial alcançado durante os serviços de recuperação da qualidade da água entre março 2016 a março de 2018, é que hoje a Lagoa está muito mais resiliente, respondendo em curto prazo às agressões provocadas pelo aporte de poluentes que provocam alterações na qualidade de sua água, estando com a sua capacidade de autodepuração aumentada em função da ação dos remediadores aplicados durante o tratamento”, comentou.

O tratamento da água da Pampulha aconteceu nos últimos dois anos e vai continuar acontecendo com o objetivo de manter cinco índices que medem a poluição na represa dentro do que o Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) reconhece como classe 3. Esse enquadramento é o necessário para que as águas do lago possam receber, por exemplo, esportes náuticos, mas isso só poderá acontecer se um dia houver regulamentação para as práticas esportivas. Recentemente, o prefeito Alexandre Kalil descartou essa possibilidade, tratando como mentira esse tipo de promessa. Kalil defendeu que a Pampulha só terá o problema da poluição completamente resolvido quando 100% do esgoto que é produzido nas regiões de BH e Contagem que contribuem para a bacia da lagoa estiver interceptado.

Os trabalhos de limpeza serão realizados pelo Consócio Pampulha Viva, o mesmo que ficou responsável pelas ações entre março de 2016 e março deste ano. Segundo a Secretaria de Obras, uma tecnologia exclusiva de tratamento das águas foi criado pela empresa. “Atualmente não há outra tecnologia, além daquela desenvolvida pelo Consórcio, capaz de atender aos objetivos estabelecidos para os padrões de qualidade da água da Lagoa da Pampulha e com as certificações ambientais exigidas”, finalizou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade