Publicidade

Estado de Minas

Licitação para censo de jacarés da Pampulha tem nova etapa

Uma empresa foi classificada na licitação por apresentar a menor proposta. Porém, ainda há outras fases para a aprovação ou não. Ainda não há data para o início dos trabalhos


postado em 28/09/2018 15:19 / atualizado em 28/09/2018 15:30

A meta dos trabalhos é estabelecer a quantidade, a idade dos indivíduos, a espécie, os locais de reprodução e a interação com o meio ambiente(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press - 26/10/2015 )
A meta dos trabalhos é estabelecer a quantidade, a idade dos indivíduos, a espécie, os locais de reprodução e a interação com o meio ambiente (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press - 26/10/2015 )

Mais um passo foi dado para o início do censo dos jacarés que vivem no entorno da Lagoa da Pampulha. Uma empresa foi classificada na licitação por apresentar a menor proposta. Porém, ainda há outras fases para a aprovação ou não. A meta dos trabalhos é estabelecer a quantidade, a idade dos indivíduos, a espécie, os locais de reprodução e a interação com o meio ambiente. A previsão é que os trabalhos sejam concluídos até o início de 2019.

O pregão eletrônico aconteceu nessa quinta-feira. De acordo com a  Secretaria Municipal de Meio Ambiente, a empresa ainda tem que enviar a documentação para ser analisada. “A empresa tem que encaminhar a documentação e, se tiver tudo certo, o contrato é assinado e posteriormente é homologado. Isso demora alguns dias e os trabalhos são inciados somente depois de cumprido esse rito”, informou a pasta.

O projeto para o censo dos jacarés que vivem no entorno da Lagoa da Pampulha foi divulgado pela Prefeitura em agosto deste ano. Os trabalhos serão feitos por meio de observação e imagens. Os locais em que as aparições forem mais frequentes serão mapeados por GPS. Segundo a secretaria, serão realizadas caminhadas no entorno do reservatório para localizar os locais onde os répteis vivem.

Além disso, barcos serão utilizados para ir a locais que não dão para seguir a pé.  No período noturno, equipes vão circular pela orla e parar em locais estratégicos. Um holofote será usado para possibilitar a identificação dos olhos dos animais e a contagem.

Os dados coletados serão usados para fazer um diagnóstico com a finalidade de preservação ambiental, além de estabelecer cuidados com animais e pessoas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade