Publicidade

Estado de Minas

Policiais Militares são presos por suspeita de assassinato na Zona da Mata

Após contradições nos relatos, três PMs confessaram crime contra a vítima, que teria ameaçado a tia de um dos militares


postado em 01/10/2018 13:24 / atualizado em 01/10/2018 18:45

Após confessar o crime, três policiais militares foram presos neste domingo, suspeitos de matar um homem na cidade de Piranga, na Zona da Mata. 

Segundo a Polícia Militar (PM), uma mulher ligou para a polícia pelo número 190, informando que havia um veículo estranho no meio do mato, na comunidade dos Cunhas, em Piranga. Pouco tempo depois, ela ligou novamente afirmando ter ouvido disparos de arma de fogo.

Com a chegada da viatura da Polícia Militar à casa da vítima, de 51 anos, foi confirmado o homicídio. O carro que circulava na região era de um dos policiais e foi identificado pelo sobrinho da vítima como um Ford Focus preto. Diante dessas informações, a polícia montou cerco no trevo de Catas Altas da Noruega e abordou o veículo.

No carro havia três militares, cada um portando uma arma de fogo: o motorista, soldado Farley Souza Silva, e os passageiros cabo Anderson Lessa Medeiros e soldado Paulo Robson Pereira Silva, todos lotados no 66º Batalhão da 2ª Região de Polícia Militar. No carro também foram encontrados mais dois revólveres calibre 38.

Segundo a PM, em um primeiro momento, os policiais alegaram que estiveram em Piranga para encontrar com mulheres residentes na Vila do Carmo. Após contradições, confessaram o homicídio. Afirmaram, ainda, que a vítima era extremamente problemática e há algum tempo ameaçava a tia de um dos militares, o que teria motivado o crime. 

“Os militares envolvidos estão presos em três unidades prisionais da Polícia Militar na capital, à disposição da Justiça. A Corregedoria instaurou processo administrativo-disciplinar para verificar a conveniência da permanência desses policiais. A PM é uma instituição transparente, independentemente de quem seja, vai tomar as medidas que forem necessárias”, afirmou o major Flávio Santiago, porta voz da corporação.

No local do homicídio, a polícia constatou três tiros no tórax e um no rosto da vítima. Os militares foram presos e as armas, apreendidas. A vítima tinha várias passagens pela polícia, inclusive por porte ilegal de armas. 
 
 
*Estagiária sob supervisão do editor Roney Garcia

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade