Publicidade

Estado de Minas

Bombeiros retomam buscas por turistas desaparecidos em serra no Sul de Minas

Jovens de 19 anos começaram a subir a Serra Fina no dia 12 e estão desaparecidos desde o último fim de semana. Travessia é considerada uma das mais difíceis do Brasil


postado em 18/09/2018 09:18 / atualizado em 18/09/2018 09:18

Serra fina, onde cariocas se perderam, é considerada uma das mais desafiadoras travessias do país (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press - 22/05/2018)
Serra fina, onde cariocas se perderam, é considerada uma das mais desafiadoras travessias do país (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press - 22/05/2018)

Equipes de buscas retomaram, na madrugada desta terça-feira, a procura pelos dois turistas cariocas que se perderam na Serra Fina, entre Passa Quatro e Itamonte, no Sul de Minas Gerais. Segundo o Corpo de Bombeiros, 10 militares e quatro guias permaneceram durante toda a noite no local. “O tempo ainda não oferece condições para sobrevoar a área, visto que na região há muita neblina e chove constantemente”, informou a corporação hoje. 

 

Os dois jovens, ambos de 19 anos, se perderam no último fim de semana. Há dois meses, um paulista desapareceu na mesma região e foi encontrado depois de oito dias. O Estado de Minas mostrou, em julho deste ano, durante a série Montanhas de História, que a travessia é considerada a mais dura do Brasil.

 

Os dois turistas,  Paulo José da Silva Gonçalves e Isaías Tavares Machado Júnior, começaram a subir a montanha em 12 deste mês. Eles tinham a intenção de fazer a trilha Toca do Lobo ao Pico dos Três Estados. A previsão era de descer anteontem. Porém, mudaram de ideia devido às fortes chuvas que atingem a região há alguns dias. O Corpo de Bombeiros foi acionado no fim da tarde de domingo por uma mulher responsável por fazer o transporte dos jovens.

Ela relatou aos militares que os dois turistas entraram em contato com ela dizendo que antecipariam a descida devido ao mau tempo. O ponto de encontro seria na Fazenda do Pierre, por volta das 19h. Mas, eles não apareceram no local indicado e, também, não fizeram mais contato. Ela relatou que é a primeira vez que os jovens fazem esta travessia na Serra Fina e não estão com GPS.

Nas primeiras horas de ontem, uma equipe de São Lourenço chegou em Itamonte, ambas no Sul de Minas, e iniciaram as buscas saindo da Fazenda do Pierra, em direção ao Pico dos Três Estados. Equipes de Varginha e Lavras chegaram no início da tarde e se encontraram com dois trilheiros. Eles informaram que o livro de cume da Pedra da Mina foi assinado pelos turistas cariocas, mas o Pico dos Três Estados não. Segundo o Corpo de Bombeiros, como os jovens enviaram fotos por celular de ponto posterior ao pico Pedra da Mina, as ações vão se concentrar em um trecho chamado de Brecha, que fica entre os dois picos.

As buscas são dificultadas devido ao clima de chuva e neblina. Por causa disso, não está sendo usado apoio aéreo. Segundo o Corpo de Bombeiros, o helicóptero Arcanjo da Companhia Aérea de Varginha será usado, caso tenha melhora no tempo. 

ARMADILHAS
As condições climáticas imprevisíveis, árduos acidentes geográficos, vegetação selvagem e escassez de água fizeram muitos montanhistas considerarem a travessia como a mais dura do Brasil.  Na Serra Fina, se erguem a quarta mais alta montanha do Brasil, a Pedra da Mina, com 2.798 metros, o Pico dos Três Estados (10ª), com 2.665 metros, e outras 18 elevações acima de 2 mil metros.

As ocorrências de desaparecimento na Serra Fina não são incomuns. Em julho deste ano, os bombeiros de Minas e a Polícia Militar de São Paulo resgataram o paulista de Campinas Luís Cássio Bezerra de Santana, de 27, que ficou perdido oito dias após entrar na Serra Fina, com o objetivo de chegar até a Pedra da Mina, quarto mais alto pico do Brasil, com 2.798 metros.

Até o desfecho dos trabalhos foram três dias de buscas, que envolveram meia centena de militares, guias experientes, nove viaturas e duas aeronaves de corporações dos dois estados. Ao escutar a passagem do helicóptero Águia, da PM paulista, o jovem fez acenos e foi localizado. Porém, devido às dificuldades de pouso, uma equipe de solo fez o trabalho de resgate. (JHV)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade